sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Governo vinga-se dos médicos estagiários que aderiram à greve. Violado um dos compromissos do Governo com a AMM


Despacho do director da Faculdade de Medicina da UEM ordena reprovação compulsiva dos estudantes que faltaram ao estágio (nos dias da greve) dos médicos. A ordem emana de uma reunião que teve lugar na Faculdade de Medicina no dia 29 de Janeiro findo. A greve dos médicos terminou com a promessa de ambas as partes de que “os machados de guerra” estavam enterrados e que ninguém seria penalizado pela paralisação, mas isto revela o grau de falta de palavra e de seriedade do Governo.
Maputo (Canalmoz) – O Governo ainda não “engoliu” a recente greve dos médicos que durante uma semana paralisou parcialmente as actividades médicas nos hospitais públicos, até que o executivo cedesse às exigências da classe.
A greve terminou com a promessa de ambas as partes de que “os machados de guerra” estavam enterrados e que ninguém seria penalizado pela paralisação, mas o Canalmoz está na posse de um despacho do director da Faculdade de Medicina da Universidade (estatal) Eduardo Mondlane, que ordena a reprovação de todos os estudantes do sexto ano que faltaram ao estágio profissional. 
O despacho visa, claramente, atingir os estudantes que aderiram à greve dos médicos.
A acção é típica de vingança. O despacho assinado pelo Prof. Dr. Mohsin Sidat, enquanto repreende com reprovação automática a todos os estudantes de medicina estagiários que faltaram aos estágios (por terem aderido à greve dos médicos), por outro lado premeia com distinção, “Certificado de Reconhecimento”, os que não faltaram ao estágio, ou seja, os que não aderiram à greve.
Esta decisão mostra que a competência é posta de lado na Faculdade de Medicina, colocando-se em primeiro plano questões políticas como aderir ou não à greve.
O despacho é o primeiro a ser exarado este ano pela Faculdade da Medicina. Leva a referência “Despacho 01/FM/2013”. A sua elaboração saiu de uma reunião havida no dia 29 de Janeiro de 2013, na Faculdade de Medicina.

Eis o conteúdo essencial do documento.

1. Todos os estudantes do 6º ano que comprovadamente faltaram às suas obrigações académicas consideram-se reprovados no segmento do estágio médico integrado onde se encontravam quando o referido incumprimento ocorreu;
2. A data do início para a repetição do estágio em que reprovaram fica ao critério dos Departamentos onde o mesmo deve decorrer;
3. Será atribuído um certificado de reconhecimento aos estudantes que cumpriram com dedicação, abnegação e até com algum “sacrifício” as suas obrigações académicas. 
Ainda não conseguimos obter a reacção dos estudantes visados nem da direcção da Faculdade da Medicina. (Borges Nhamirre)