segunda-feira, 8 de julho de 2013

A Verdade sobre os Mosquitos




O animal mais perigoso do planeta não é a cobra, urso ou tigre. Na verdade ele é muito menor, quase do tamanho de um percevejo. É o mosquito – o mesmo zumbido desagradável que arruina suas caminhadas e acampamentos também mata até três milhões de pessoas a cada ano, infectando-os com a malária e outras doenças. São animais imundos, que além de irritar suas vítimas de sangue quente também deixam vergões, coceira na pele e, às vezes, doenças devastadoras em sua esteira.

É difícil escapar de sua sede.  Os mosquitos usam antenas ultra-sensíveis  para controlar as nuvens de dióxido de carbono (CO2) liberados no ar pela sua presa.  Excepcionalmente os olhos amendoados também podem discernir alterações no contraste e movimento (os peritos pensam que trabalham melhor em condições de pouca luz).  Para completar, os mosquitos são sensíveis a radiação infravermelha (ou seja, o calor do corpo), o que explica sua  eficiência em encontrar o mais ínfimo ponto de pele exposta. Também é por isto que os mosquitos parecem mais atraídos à roupa escura do que pelas cores claras, justamente por roupas escuras reterem mais calor.
Somente as fêmeas picam!  O único propósito de uma refeição de sangue é para colocar ovos. Durante sua vida útil de três semanas, os mosquitos normalmente põem ovos de 2-3 vezes. Esta alta taxa de reprodução e, por sua vez, a adaptabilidade genética é a principal razão para o sucesso dos mosquitos. Para que os ovos eclodam se faz necessário locais alagados, isto explica o porque os pântanos e charcos são infestados com essas pragas. Como resultado, os mosquitos estão mais ativos na primavera e início do verão.  Uma vez exposto à água, as larvas surgem em 1-2 dias. É preciso um outro ciclo de 5-12 dias para as larvas se transformarem em pupas de mosquitos adultos.
Os peritos pensam que as alterações climáticas podem ter um efeito significativo sobre o ciclo de vida destes insetos. Aumento da precipitação poderia dar mais território aos mosquitos.  Além disso, espécies de climas temperados estarão menos sujeitos aos desafios do inverno.
Patógenos transmitidos pelo sangue humano, como a malária e vírus do Nilo Ocidental tem co-evoluído com os mosquitos.  Os mosquitos infectados encontram animais hospedeiros (aves, no caso do Nilo Ocidental), extraem o sangue que contém os agentes patogénicos, e fornecem um lugar para o patógeno se desenvolver e aumentar o número. Então, eles repassam o patógeno através da alimentação de outros organismos. Mosquitos e animais de acolhimento não são afetados, eles simplesmente agem como corredores de transporte e armazéns para o patógeno.
Existem no mercado repelentes eletrônicos que utilizam uma ou duas freqüências sonoras para simular libélulas e outros pernilongos machos (que não nos picam), que criam um ambiente de competição para as fêmeas que nos chupam sangue. Esses dispositivos costuma ter uma faixa de velcro para os manter junto à nossa roupa. Isso constitui uma unidade compacta e versátil que você pode levar para qualquer lugar, para manter sua proteção. Algumas unidades possuem inclusive uma lanterna embutida para uso noturno.
Vejamos mais algumas dicas úteis:
- Evite usar fragrâncias florais e de frutas nos perfumes, loções para o corpo e detergentes.
- Evite usar roupas escuras, pois os mosquitos são atraídos por roupas mais escuras.
- O amanhecer e o anoitecer são os períodos de pico das atividades dos mosquitos e, portanto, evite atividades externas durante esses períodos.
- Evite exercisar-se fora de casa durante os períodos de pico de mosquitos. Os exercícios criam mais ácido lático e seu corpo também irá expelir mais dióxido de carbono (CO2). Os mosquitos são atraídos por ambos esses odores. O suor também atrai os mosquitos, por criar um ambiente úmido em volta do corpo.
- Não permita que água parada se acumule no seu quintal (importante na dengue).
- Acenda velas de citronela ou incensos no lado de fora da casa.
- Coma mais alho. O alho repele os mosquitos [talvez também seu conjuge... :))] e também é encontrado em vários repelentes de mosquito comerciais.
- Erva-de-gato [catnip, em inglês] repele mosquitos. Mantenha um pouco dela no seu bolso ou esfregue-a nas suas áreas expostas (seu gato irá te adorar).
- Tente esfregar salsa nas suas partes expostas.
Existem certos óleos que repelem mosquitos. Uma combinação desses óleos pode repelir diferentes tipos de mosquitos. No entanto, antes de usar esses óleos certifique-se que você e sua família não possui um histórico de alergia aos óleos listados abaixo. Outro ponto a se lembrar, é que os ingredientes naturais são mais facilmente absorvidos pela nossa pele e se diluem mais facilmente em água (presente no suor), do que os repelentes químicos; portanto, para manter a proteção reaplique os óleos regularmente.
- óleo de citronela
- óleo de rícino
- óleo de alecrim
- óleo de cedro
- óleo de hortelã
- óleo de cravo-da-índia
- óleo de gerânio
Outras opções de óleos, menos efetivos, são os de verbena, alfazema, pinheiro, canela, tomilho, pimenta-da-jamaica, soja e alho.
A maioria dos repelentes comerciais de insetos possui um produto químico chamado Deet, que deve ser evitado, pois pesquisadores descobriram que ele pode causar perda de memória, dor de cabeça, fraqueza, fadiga, dores nos músculos e juntas, tremores e falta de respiração, quando de seu uso intenso.
Fonte: saudeperfeitarfs.blogspot.com e backpacker.com
http://victortrotamundo.wordpress.com/2010/07/25/a-verdade-sobre-os-mosquitos/