Por favor salvem esta menina. Apelo de Viana. Angola. Filha de 5 anos de idade que acerca de 2 anos está doente com Neoplasia Vesical (um tumor maligno na zona genital). O pouco que cada um pode dar já é muito para quem precisa, não precisamos ter muito para ajudar. Se cada um de nós depositar um pouco podemos ajudar a salvar a vida dessa menina. Quem puder ajudar pode depositar na conta: 000005001760033 ou IBAN A006.0034.0000.0500.1760.0334.1 de Lidia Manuel no banco Millenium

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

A terapia que livrou Emma da leucemia obtém novos êxitos




O tratamento foi testado em 2012 em uma menina norte-americana que continua saudável
Consiste em manipular o DNA de células do sistema imunológico para que combatam o tumor
Um novo trabalho com 39 crianças reforça as esperanças nessa técnica


Emma Whitehead, de nove anos, abriu o caminho. Depois de duas recaídas da leucemia de que padecia, seus médicos não viram mais saída a não ser experimentar uma revolucionária e arriscada técnica que consiste em educar, mediante terapia genética, as células do sistema imunológico para que ataquem as células malignas. Era o último cartucho que lhes restava para combater o câncer em seu corpo. E a estratégia que, por ora, salvou a vida dela (é preciso esperar cinco anos para considerar um doente oficialmente curado) continua queimando etapas de forma satisfatória no trajeto que pode transformar o tratamento em uma solução para outras crianças e adultos na mesma situação.
Os últimos resultados sobre a terapia que curou Emma foram apresentados nesta sexta-feira no encontro realizado pela Sociedade Americana de Hematologia, em San Francisco. O mesmo enfoque foi empregado com outras 39 crianças na mesma situação: leucemia linfloblástica aguda de precursores B resistente às abordagens convencionais (quimioterapia, em alguns casos, transplante de medula). Dos 39 doentes tratados por um grupo de médicos da Universidade da Pensilvânia dirigidos pelo oncologista infantil Stephan Grupp, 36 (um total de 92%) mostraram uma resposta completa no mês de tratamento e, desses, 25 (69%) permaneceram a salvo de recaídas durante os seis meses seguintes.
“São resultados muito bons. Não percamos de vista que são crianças que não têm nenhuma outra alternativa terapêutica, e a doença que elas têm é letal” , destaca Manuel Ramírez, especialista em oncologia pediátrica do Hospital Menino Jesus, de Madri.
O fato de que o resultado mais espetacular (92% de resposta imediata) seja constatado em um mês de tratamento pode parecer um prazo curto demais para que se extraiam conclusões. Mas não é bem assim. “Sabemos que a resposta inicial rápida ao tratamento com quimioterapia é um indicador que pode significar uma boa resposta do paciente no longo prazo”, explica Ramírez, por isso essa é uma referência adotada frequentemente como um fator de orientação para o prognóstico. Em todo o caso, o trabalho especifica que nem todas essas respostas positivas são permanentes: houve dez recaídas desses pacientes, e cinco morreram.
Tendo em vista o fato de a terapia, ainda experimental, se mostrar promissora, Grupp já anunciou a intenção de desenvolver um ensaio clínico mais ambicioso para continuar avaliando a segurança e a eficácia do tratamento. O fármaco que se emprega é um glóbulo branco (ou leucócito) modificado geneticamente (batizado como CTL019, do qual a Novartis tem os direitos). Em julho, a agência norte-americana de medicamentos (a FDA) concedeu ao CTL019 a classificação de terapia de grande avanço (breakthrough therapy), o que acelera sua possível aprovação.
A leucemia linfoblástica aguda tipo B é o câncer mais frequente entre a população infantil, representando entre 20% e 25% dos casos. Desses, 80% são curados e 20% resistem aos tratamentos atuais. A este último grupo se destina a terapia experimental, que consiste em reprogramar a resposta do sistema imunológico, um enfoque que está conseguindo importantes avanços em oncologia. Nesse caso, com a particularidade de ser também combinado com a terapia genética.
O problema desses pacientes é que eles têm alterada a capacidade de produzir linfócitos B (um tipo de glóbulos brancos, células do sistema imunológico) saudáveis. Em seu desenvolvimento, os precursores dessas células, em vez de amadurecer adequadamente, se transformam na maioria em células tumorais.
Essa nova estratégia ensina o sistema imunológico a atacar as células imaturas (os linfoblastos B) alteradas. Na realidade, educa as células T, outro tipo de glóbulo branco, para que as combata. O primeiro passo do processo consiste em extrair as células T do corpo, por meio de um equipamento que filtra o sangue. Depois desse rastreio, os especialistas recorrem a técnicas de engenharia genética para manipular as células T selecionadas e introduzir novas instruções em seu DNA (através de um vírus desativado), para que reconheçam e ataquem uma proteína (DC 19) que se encontra na superfície dos linfoblastos B.
Desta forma, ao serem reintroduzidos na corrente sanguínea, as novas células T se proliferam e eliminam as células enfermas. “Nossos resultados indicam que essas células caçadoras desenhadas pela engenharia genética crescem nos pacientes e oferecem taxas de resposta muito elevadas que persistem nos pacientes”, comenta Grupp.
A técnica ainda está dando seus primeiros passos. Nem todos os pacientes respondem da mesma maneira. Além disso, apresenta diferentes efeitos adversos. As células T reforçadas também atacam os linfócitos B saudáveis (que compartilham a mesma proteína contra a qual atuam as células T), que são necessários para o correto funcionamento das defesas. Por isso, é necessário administrar periodicamente imunoglobulina aos pacientes para combater a perda dos linfócitos B saudáveis. A destruição das células tumorais provoca também outra reação adversa (a chamada síndrome de liberação de citocinas) que deve ser controlada com medicamento. Mas, a pesar de tudo isso, como insiste Manuel Ramírez, não há outra opção para os pacientes com leucemias resistentes.
Imagem: A menina Emily 'Emma' Whitehead comemora dois anos sem câncer. / EMILYWHITEHEAD.COM