Por favor salvem esta menina. Apelo de Viana. Angola. Filha de 5 anos de idade que acerca de 2 anos está doente com Neoplasia Vesical (um tumor maligno na zona genital). O pouco que cada um pode dar já é muito para quem precisa, não precisamos ter muito para ajudar. Se cada um de nós depositar um pouco podemos ajudar a salvar a vida dessa menina. Quem puder ajudar pode depositar na conta: 000005001760033 ou IBAN A006.0034.0000.0500.1760.0334.1 de Lidia Manuel no banco Millenium

sábado, 28 de setembro de 2013

Um grito de alerta aos pais que batem em seus filhos


A maioria dos pais querem o melhor para seus filhos. Mas, quando se trata de disciplina, alguns equivocadamente usam a força física para punir ou intimidar. Bater e machucar desnecessariamente crianças nunca se justifica, e nunca é bom.
O governo australiano ratificou a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança (1989). Em outras palavras, a Austrália reconhece as crianças como pessoas com direitos. Por isso, o governo do país, para se juntar aos outros 33 países “esclarecidos” do mundo, precisa proibir o castigo físico de crianças em todas as suas formas.
A proibição bem sucedida na punição física das crianças também deve ser acompanhada de uma campanha para apoiar e educar os pais a mudar atitudes ultrapassadas como essas.
Os malefícios do castigo físico
O castigo físico, mesmo quando é chamado de “disciplina” ou “palmadas”, pode causar a curto e longo prazo danos às crianças. Sabemos agora, através da investigação rigorosa, que existem associações entre a punição física e a adoção de comportamentos agressivos e violentos, saúde mental prejudicada, e outros problemas de saúde e desvantagens.
Mesmo sem a evidência da pesquisa, sabemos intuitivamente que bater e ferir pessoas desnecessariamente afeta o relacionamento social e a confiança. As nossas crianças são os adultos do futuro. Como nós tratamos os nossos filhos hoje afetará sua saúde, autoestima e sensação de bem-estar futuramente.
Mudando o comportamento
A Austrália tem estado na vanguarda de muitas reformas da saúde pública, tais como cintos de segurança nos carros, controle do tabagismo e uso de preservativo, mas ainda falta um semelhante despertar sobre a punição física.
Mas como fazer os pais mudarem seu comportamento – ou seja, parar de dar “palmadas” nos filhos?
Campanhas recentes, como o grande sucesso animado educativo intitulado “Maneiras idiotas de morrer”, é um bom exemplo de como uma campanha de publicidade pode ajudar a mudar atitudes ultrapassadas e comportamentos de risco. Neste caso, o vídeo promove a segurança ferroviária para os jovens através de anúncios em jornais, rádio, outdoors, redes sociais, etc. A campanha visa “envolver um público que realmente não quer ouvir qualquer tipo de mensagem de segurança”.
Uma campanha de educação como esta, com apoios e incentivos para encorajar os pais a adotar métodos disciplinares positivos, pode ser suficiente para mudar comportamentos de risco na educação infantil.
Tal campanha poderia ser tanto contundente quanto inspiradora; retratando os impactos imediatos e possíveis do castigo físico através de palavras e imagens. Ela também pode fornecer informações importantes sobre o desenvolvimento normal da infância, e maneiras positivas de interagir e estabelecer limites razoáveis ​​para as crianças.
Na Suécia, os castigos corporais e outras formas de tratamento humilhante a crianças foram proibidos em 1979, e panfletos foram fornecidos para todas as famílias, bem como informações foram postas em caixas de leite, incentivando o diálogo entre pais e filhos. O resultado? Famílias suecas mais modernas praticam disciplina positiva, sem violência. As crianças são respeitadas, e os pais são valorizados e apoiados no seu importante papel como modelos para os seus filhos.
Alterando a lei
Alguns adultos responsáveis ​​irão voluntariamente modificar suas atitudes e comportamentos à luz da evidência que a motiva. Mas a mudança comportamental, por vezes, só ocorre em resposta a legislação ou reforma da mesma.
Pode ser uma opção criar legislação pertinente em cada um dos estados e territórios da Austrália para remover explicitamente a “correção legal” em defesa para a agressão e enviar uma mensagem clara aos pais de que o castigo físico não é mais uma forma perdoável de disciplina ou controle das crianças. As crianças terão a mesma proteção contra a agressão conferida aos adultos.
Claro que essa lei deve proteger contra a criminalização dos pais que, ocasionalmente, “dão pequenos corretivos” em seus filhos, mas a punição física será fortemente desencorajada.
Dar voz às crianças
Bater e desnecessariamente ferir crianças degrada-as. Quando dadas a oportunidade de comentar sobre a punição física, as crianças dizem que ela dói fisicamente e emocionalmente.
Ao mesmo tempo, as crianças simpatizam com os pais que estão cansados ​​e estressados, mas perdem o controle – elas entendem e acreditam que a questão dos pais que batem é como um ato de ensino de uma lição, pra ter bom comportamento.
Muitos pais têm manifestado arrependimento por terem recorrido a bater em seus filhos – eles preferiam ter utilizado meios alternativos de disciplina que não resultam em raiva, lágrimas e ressentimento. Em casos extremos, os arrependimentos dos pais são inúteis, quando seus filhos foram gravemente feridos.
Alguns comentários infantis sobre o assunto esclarecem parte do problema. Como disse uma criança de oito anos de idade: “Como os adultos são mais velhos, eles pensam que sabem mais coisas, mas às vezes não… Às vezes eles estão enganados”. Outra sugeriu que os adultos não “tem que bater, porque podem escolher”.
Incentivar as crianças a falar sobre questões como essa, e ouvir o que elas têm a dizer, deve nos levar a questionar nossas perspectivas desatualizadas. O castigo físico de crianças continuará a ser tolerado até que adultos responsáveis ​​e esclarecidos reconheçam que as crianças não são menos dignas que os adultos. [MedicalExpress]
http://hypescience.com