quinta-feira, 14 de abril de 2011

Angola. Ermelinda Freitas e Patrícia Sousa descrevem o Estado da Nação


Ermelinda Freitas, no Lubango
Aqui no Lubango é o pão nosso de cada dia... a energia ainda vai e vem, água?? ha mais de uma semana que nem uma gota... o Regime no seu melhor...
Aqui no Lubango vê-se muita coisa, que é Contra os Direitos Humanos!! As crianças à chuva, sujas e com fome... a polícia a correr com as nossas Mamãs que tudo fazem para vender umas maçãs, batatas, couves... etc.
Quando perguntei ao agente o porquê? Ele disse-me (estamos à procura de droga) perguntei, nas bacias de hortaliças? Por favor, deixem as Senhoras em Paz, pois estão a tentar arranjar um bocadinho de fuba para darem de comer aos filhos! O Sr. Agente respondeu-me, é a democracia, DEMOCRACIA?? DISSE EU, de que País está a falar, de certeza que não está a falar de Angola! Pois nós não temos Democracia em Angola, mas sim (desculpem a expressão) Merdacia, agora prenda-me porque é assim que vocês funcionam. Foram-se embora, quando a cidade está cheia de pessoas a venderem de tudo, porque razão vão aos bairros mais pobres?
Como outro caso que se está a passar com o meu marido, um agente (embriagado) e sem modos educados multou-o e apreendeu a carta, em Janeiro, pagamos a dita multa (fora de prazo) quando foi para ir buscar a carta, já estava em tribunal, andamos para trás e para a frente, até que amigos ouvem pela rádio, o nome do meu marido para se apresentar em tribunal. Quando ele chega ao tribunal era para ser Julgado, como se fosse um criminoso, um aparato de Juízes, advogados de defesa e acusação, polícia e segurança, tudo à boa maneira do Regime, a maneira deles! Uma pessoa é julgada sem saber... Sentença: pagar a multa e ficar com a carta apreendida, mas a multa já tinha sido paga nas Finanças, e o recibo estava no processo, mas tem de pagar no BPC, mais 12.615.00AKZ, para além dos 10.965.00AKZ já pagos nas Finanças! Isto no dia 28/03/2011, e ainda se encontra com a carta apreendida. O que se pode fazer? Não sei! A carta é EUROPEIA. Ainda por cima um agente que testemunhou nem sequer estava no local, eu estava e não o vi.
Juntando mais a música que o Comandante faz da hospedaria Discoteca... e a igreja Evangélica com palmas cânticos e Batuques das 5h às 7h e depois das 18h às 21h, e ninguém (POLÍCIA) faz nada!

Patricia Sousa Sousa
Custa acreditar que a cidade do Cunene está a caminho de 2 meses sem energia e sem água tratada, isso pode?

Celino Roberto Saveyile No Cunene – vivem indígenas – os verdadeiros Angolanos estão em Talatona, Atlântico Sul – Futungo – Mutamba. O que ilumina Namíbia, o que bombeia as torneiras dos namibianos sai exactamente do Cunene. Aí está a grande diferença de Patriotismos dos que dirigem a Namíbia e os que dirigem ANGOLA.

Gil Gonçalves
O grande cortejo da morte dos geradores entra em acção, na mais odienta desordem jamais vista, como matadores profissionais no comando dos ainda teimosos senhores da guerra. Para eles as nossas vidas não têm nenhum valor. Facturar em nome da morte, como o Banco Millennium Angola, ao Zé Pirão, Luanda. Obrigarem à instalação de oficinas e fabriquetas nas traseiras dos prédios, aproveitando a mão-de-obra escrava chinesa. Prédios (?) já há muito que perderam este nome, são restos, escombros para ratos.
Abrem-se as janelas e recebem-se os jactos tóxicos do fumo dos geradores desta selva democrática. Matar é preciso, incrementar, solidificar a selvajaria, é o desempenho da desalmada destruição desta ditadura. Destruir é preciso.
A poluição da ditadura, aliada ao fumo tóxico dos geradores do desenvolvimento económico e social que nos abastecem regularmente de partículas cancerígenas, para gáudio de quem nos conduz os destinos, acaba, a ditadura, de nos premiar com mais uma epidemia… de conjuntivite. A seguir, será uma epidemia de doenças respiratórias pulmonares? Isto não será o demasiado gosto amargo da morte?