segunda-feira, 11 de abril de 2011

Lucrécia Paím em Luanda, Maternidade Assassina


Não é de hoje esta situação na maternidade Lucrécia Paim. Sobretudo no período nocturno, as parturientes que ali vão ter o bebé sofrem horrores, se não aceitarem pagarem o montante que lhes é pedido pelas equipes em serviço. São montantes que vão acima dos 800 usd.

http://www.angola24horas.com/index.php?option=com_content&view=article&id=4572&catid=4572

Se não pagam para serem bem atendidas e acompanhadas, são abandonadas à sua sorte, morrendo os bebés e muitas vezes também as mães. É um esquema bem montado que ultrapassa os princípios da deontologia profissional da saúde, e principalmente dos primeiros socorros e atendimento à parturiente e recém nascido.
As parturientes são humilhadas, ofendidas, maltratadas num momento em que precisam de afecto, apoio e atenção. Muitas vezes, as parturientes em estado crítico sem poderem caminhar, são agressivamente obrigadas a subir vários andares a pé, como puderem, nem que seja a arrastarem-se.
E o que é mais grave é que não tem a quem se recorrer porque seria a palavra da parturiente e familiares contra a da equipe em serviço. A maternidade Lucrécia Paim em 1º lugar, seguida da augusto ngangula, são consideradas como destino de tortura e morte das mulheres que ali vão para exercer o grandioso papel de dar a vida. Só quem por lá passa ou quem acompanha alguma mulher parturiente sabe e sente a realidade do holocausto que é a maternidade Lucrécia Paim. Atraente e imponente por fora, mas cruel, fria e torturante por dentro!
Crueldade infelizmente praticada também por mulheres contra mulheres! Que paradoxo! Mais parecem carniceiras, parecem que nunca pariram e precisaram de cuidados!
O que aconteceu com esta mãe só foi mais um caso a acrescer a tantos outros que já aconteceram e que muitas mulheres parturientes continuarão a passar neste lugar onde deveria haver afecto, atenção, cordialidade, respeito à vida e a quem a dá.
O que se passa no Lucrécia Paim e Augusto Ngangula é um atentado à dignidade humana!
Até quando???
A esta família que por negligência e de forma brutal perderam a sua menina, que Deus conforte a sua dor, que jamais será esquecida. Tantos meses à espera para ver em escassos momentos fugir o sonho de serem pais! É revoltante!
Morte de: Cássia Melanie Coelho Duarte Ramos.
Estes factos ocorreram na Maternidade Lucrécia Paím em Luanda.
No dia 09 de Março de 2011 as 08:45, deu entrada na maternidade acima mencionada, a mãe da pequena Cássia Melanie.
Por volta das 16 horas, a bolsa da mãe rebenta, e a Cássia só havia de nascer por volta das 19 horas.
Foi uma gravidez normal e com todo acompanhamento médico, na clínica Medifela – Rua Major Marcelino Dias nº 42, apt 1 R/C. Maculusso, Ingombotas. Até a última semana do parto… Uma mãe grávida que seguia todo o conselho médico…
Na Maternidade Lucrécia Paim
Nunca fomos informados sobre a situação da nossa pequena Cássia Melanie, eu como pai e por curiosidade, perguntava as enfermeiras sobre o estado clínico da minha pequena Cássia, elas, com o tom deselegante (mas o habitual) diziam “esta grave, não estas a ver que ela esta com o oxigénio, é grave mesmo ” e os médicos nada diziam, naquele instantes os meus olhos encheram-se de lágrimas ao ver a minha pequena Cássia a lutar pela vida. Aproveitei e tirei as fotos que vão em anexo. No dia seguinte de noite, fui ao piso do berçário e fiquei a espera de quem por lá passasse para pedir um relatório do estado da minha bebe, de repente apareceu uma auxiliar de enfermeira, pedi o favor para ela ir ver a Cássia na incubadora 18, quando ela saiu do berçário, só disse “é gravíssimo, gravíssimo, gravíssimo” entrou no elevador e foi…
Os médicos, os pediatras nada diziam, todos eles num silêncio absoluto, não davam nenhum relatório muito menos aconselhavam em levar a nossa pequena em outra clínica.
Na madrugada de sábado dia 12 de Março às “02:50” minutos, a Pequena Cássia Melanie, deu o último suspiro e nós perdemos o nosso fruto, o fruto do nosso Amor.
Na Certidão de Óbito, a causa da morte foi “Asfixia Grave” na verdade foi negligência médica. Segundo as investigações pessoais que fizemos, cada médico, enfermeira dizia uma coisa, ou seja um diagnostico diferente (a mentira tem pernas curtas). A Cássia Melanie, nasceu com 55 cm de altura e com 3 kilos e 160 gramas. Na maternidade não existe amor ao próximo, acho que o Senhor Ministro da Saúde devia mandar tirar todas as televisões que estão nos gabinetes dos hospitais, sim, porque os auxiliares de enfermeiros, enfermeiros e médicos são pagos para trabalhar e não para ver novelas ou qualquer um outro programa na hora de serviço, com certeza que muita criança morre devido os televisores...
Para a maternidade Lucrécia Paím, foi simplesmente mais um bebé morto, (ou melhor assassinado) isso para não falar que a maternidade L. Paím, não tem morgue, os corpos dos bebes vão todos para a maternidade N´gangula, chegando lá… é uma grande confusão para encontrares o corpo do teu ente querido, a forma mais rápida é pagando uma “gasosa” e já está, isso tudo porque a taxa de mortalidade é bastante elevada, é muito triste falar dessa parte, mas vá até a morgue do N´gangula e confirme.
Ps: Segundo dados da CIA The World FactBook, Angola está na lista dos 10 países com a maior taxa de mortalidade infantil, e em que lugar? Claro o 1º.
Sites: http://linking2008.blogspot.com/2008/12/os-10-pases-com-pior-taxa-de.html
Ou faça uma pesquisa em inglês, com a seguinte frase: world infant mortality rate 2010
Taxa de mortalidade infantil em Angola "é alarmante" e "difícil de explicar"
A organização não-governamental Médicos sem Fronteiras, que diz ser "difícil de explicar" esta situação "num país em paz que tem tantos recursos". Referindo-se a elevada taxa de mortalidade infantil. "É alarmante a falta de cuidados médicos". A MSF constatou "poucas melhorias" desde o final da guerra civil em Angola em termos de assistência médica. Angola é o segundo maior produtor de petróleo na África subsariana, só suplantada pela Nigéria.
Arquivo - Jornal Público (Portugal)
Lista de exigência
Ø Demissão dos médicos, pediatras, enfermeiras e auxiliares de enfermeiras que trabalharam no berçário entre os dias 09 a 12 de Março de 2011
Ø Deixarem de exercer a profissão durante 10 anos.
Ø Serem levadas a barra do tribunal.
Ø Uma indemnização para a criação de uma maternidade com o nome de Cássia Melanie, uma maternidade com tudo que é preciso.
Eu tenho uma esperança
É claro que nós queremos viver. Queremos aproveitar a vida com aqueles que amamos. É natural desejarmos ver novamente as pessoas queridas que morreram.
A minha esperaça tem base bíblica
Sou um homem muito crente em Deus, sou tão crente em Deus porque conheço muito bem o essencial da sua palavra, a Bíblia.
Sei que um dia voltarei a ver a minha Cássia Melanie, aliás já estou a imaginar esse dia, ela a vir a correr aos meus braços, com os cabelos compridos.
O que a bíblia ensina
A maioria das pessoas que morreram serão ressuscitadas. Jesus prometeu: " Os que estão nos túmulos.... sairão". ( João 5: 28,29) De acordo com o propósito que Deus tinha no início, os ressuscitados para a vida na aterra viverão para sempre. ( Lucas 23:43) Nesse futuro prometido, as pessoas obedientes terão saúde perfeita e vida eterna. a Bíblia diz: " Os próprios justos possuirão a terra e residirão sobre ela para todo o sempre." (Salmos 37:29)
Atos 24:15: " e eu tenho esperança para com Deus, esperança que estes mesmos [homens] também alimentam, de que há de haver uma ressurreição tanto de justos como de injustos."
Não sei quando é que tudo isso ocorrerá, mas sei que esta para breve. O Fim!
Mateus 24:3-13
Nota: Anexo foto da Cássia na barriga da mãe, na incubadora, na urna, certificado do óbito, coisas da Cássia, Manilha (“pulseira” de plástico e cartolina, usada pela maternidade para a identificação da mãe e o bebé), foto da maternidade Lucrécia Paím (tiradas por mim).
Ps: Preciso de ajuda de todas as mães angolanas, principalmente daquelas que perderam os seus bebés, vamos manifestar a favor da vida, a favor nos nossos bebés!
Américo Ramos