quinta-feira, 28 de abril de 2011

Foi descoberta a cura para o esquecimento?


Se você já pensa em tomar Ginkgo Biloba, comer mais peixe ou aprender a jogar xadrez para ver se consegue ater mais informações, fique tranquilo. Um time de pesquisadores da CPS Research, de Glasgow, na Escócia, está buscando uma cura para o esquecimento, com exceção dos problemas de memória causados por doenças como Alzheimer.

“O que estamos nos referindo não pode ser confundido com a séria perda de memória causada pelos estágios iniciais de demência”, disse o pesquisador Alan Wade. “Este estudo é voltado para aqueles que estão constantemente perdendo sua chave, esquecendo o nome de pessoas ou não lembrando onde guardaram seus óculos”.

Wade e seus colegas vão lancer um estudo testando se uma dose baixa do medicamento memantina, usado em pacientes com Alzheimer, pode ajudar a diminuir os problemas de esquecimento, que eles apelidaram de “síndrome do estilo de vida ocupado”. Um jeito de descrever a loucura do dia-a-dia que pode causar estes lapsos de memória.

“Nós cometemos estes erros pelo menos de hora em hora. Todos nós. Diferente de andar ou mascar chiclete, a memória é uma função que está longe de ser perfeita nos seres humanos. Na maioria das vezes é imperfeita”, compara o neurologista David Knopman.

A idéia de tomar uma pílula para a memória pode causar desconfiança. “A memantina é uma droga que foi aprovada para o tratamento do Alzheimer moderado ou severo. Nunca foi testado em pessoas sadias. Não há nenhuma evidência”, disse Knopman. O médico ainda reflete: se este tipo de esquecimento é algo que acontece diariamente com todo mundo, para que tratar? Segundo ele, se não é uma doença, não precisa de medicamento. [MSNBC]

http://hypescience.com/foi-descoberta-a-cura-para-o-esquecimento/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+feedburner%2Fxgpv+%28HypeScience%29

Hypescience