domingo, 26 de junho de 2011

Médicos: A difícil tarefa de dar más notícias sem poder chorar


Como se diz a uma grávida que o bebé morreu? E a um doente que o cancro voltou? Ou que não há órgãos disponíveis? A resposta não vem nos livros e aos médicos resta a verdade e, às vezes, esconder as lágrimas.
Não passa uma semana sem que o oncologista Jorge Espírito Santo dê uma má notícia. Assim tem sido nos mais de 40 anos de profissão e já nem se lembra da primeira vez que lhe aconteceu.
«Sei que hoje em dia não daria essa má notícia da mesma forma», reconheceu à Lusa, justificando a mudança com o peso da experiência, «determinante» na forma como o médico estabelece uma relação com o doente.
Diário Digital / Lusa