terça-feira, 19 de agosto de 2014

Doença de Parkinson




O que é?
A Doença de Parkinson é uma doença crónica que afecta o sistema motor, ou seja, que envolve os movimentos corporais, levando a tremores, rigidez, lentificação dos movimentos corporais, instabilidade postural e alterações da marcha.

www.parkinson.pt

Como acontece?
A doença surge quando os neurónios (células nervosas) de uma determinada região cerebral, denominada substância negra, morrem, sendo que, quando surgem os primeiros sintomas, já  há perda de 70 a 80% destas células. Em condições normais, estas células produzem dopamina, um neurotransmissor que ajuda a transmitir mensagens entre as diversas áreas do cérebro que controlam o movimento corporal. Assim, quando as células da substância negra morrem, os níveis de dopamina tornam-se anormalmente baixos, o que leva a dificuldades no controlo do tónus muscular e movimentos musculares, afectando, portanto, os músculos quer durante o repouso quer quando em actividade.
Por que acontece?
Até agora, a razão porque algumas pessoas desenvolvem a doença e outras não, não foi determinada. Há quem defenda que tudo se deve aos chamados radicais livres, que são moléculas produzidas no nosso corpo em resultados das normais reacções metabólicas, e que, eventualmente, podem provocar lesões cerebrais através de um processo denominado oxidação. Outros, acreditam que esta doença se deve ao efeito tóxico de certas drogas, o que é suportado pela evidência de uma associação desta doença com o abuso de uma droga muito popular na década de 70. Para além disto, outras provas relacionaram a doença de Parkinson com certas toxinas ambientais, nomeadamente com os pesticidas, uma vez que se encontraram taxas de incidência mais altas em áreas rurais onde as pessoas bebem água proveniente de poços. Finalmente, pensou-se que a doença poderia ter uma base genética, como foi documentado num estudo que se fez de uma família na qual a doença afectava várias gerações, mas até agora todos os outros estudos realizados não detectaram qualquer anormalidade genética.
Em quem ocorre?
A nível mundial esta doença atinge cerca de 1 a 2 pessoas em cada 1000, sendo mais frequente nos europeus e norte-americanos do que nos asiáticos ou africanos. Surge, geralmente, no final da meia idade, tendo o seu início, tipicamente, por volta dos 60 anos, contudo em cerca de 5% dos doentes a doença tem início precoce, surgindo antes dos 40 anos. Esta doença é ligeiramente mais frequente nos homens do que nas mulheres.
Como se manifesta?
A manifestação inicial da doença é, geralmente, um tremor ligeiro numa mão, braço ou perna que ocorre, normalmente, a uma frequência de três por segundo quando extremidade afectada está em repouso mas, que pode aumentar em momentos de tensão. Tipicamente, o tremor melhora quando o paciente move voluntariamente a extremidade afectada e pode, mesmo, desaparecer durante o sono. À medida que a doença progride, o tremor torna-se mais difuso, acabando, eventualmente, por afectar as extremidades de ambos os lados do corpo.
Para além do tremor, que classicamente caracteriza a doença, surgem ainda outros sintomas, nomeadamente rigidez das extremidades, lentificação dos movimentos corporais voluntários (bradicinésia), instabilidade postural e alterações da marcha.
Quando a bradicinésia afecta os músculos faciais, leva a que o doente se babe, perturba o normal piscar dos olhos e interfere com a mímica facial (expressões), podendo acabar por originar uma face semelhante a uma máscara, isto é, inexpressiva. Quando atinge outros músculos, a bradicinésia pode afectar a capacidade do paciente em cuidar de si próprio, nomeadamente de se lavar e vestir ou utilizar os talheres ou, de realizar as normais tarefas domésticas, como lavar a loiça ou a roupa.
Os problemas com o equilíbrio e a instabilidade postural podem tornar muito difíceis actos tão simples quanto o sentar-se ou levantar-se de uma cadeira e o andar pode implicar pequenos passos, arrastados, geralmente, sem o normal movimento pendular dos braços. Nalguns pacientes surgem, ainda, alterações da escrita, sendo que a letra se torna pequena, tremida e, muitas vezes, ilegível.
Para além de tudo isto, ainda estão associados à Doença de Parkinson outros sintomas, incluindo:
depressão;
ansiedade;
alterações do sono;
perda de memória;
discurso indistinto;
dificuldades de mastigação e deglutição;
obstipação;
perda do controlo vesical;
regulação anormal da temperatura corporal;
aumento da sudação;
disfunção sexual;
cãibras, entorpecimento, formigueiros (parestesias) e dores nos músculos.
Como se trata?
Apesar de não haver, actualmente, uma cura para a Doença de Parkinson, os sintomas podem ser controlados através de diversos tipos de medicações. Assim, numa primeira fase poder-se-à recorrer ao uso de amantadina (Parkadina®), com ou sem associação a fármacos anticolinérgicos, como o trihexifinidilo (Artane®) ou a benzatropina (Cogentin®). A amantidina actua ao promover a libertação da dopamina no interior do cérebro, pelo que só actua enquanto ainda houver alguns neurónios a produzirem aquele neurotransmissor, deixando depois de actuar. Então, nesta fase subsequente da doença, tem de se recorrer a outro tipo de medicação, utilizando-se, geralmente, a levodopa, um percursor que é convertido em dopamina a nível cerebral, e que é geralmente prescrita em associação com carbidopa (Sinemet®). Para além destas existem ainda outras formas de medicação, incluindo agonistas dopaminérgicos, isto é, fármacos que imitam quimicamente a acção da dopamina, como a bromocriptina (Parlodel®), o pergolide (Permax®) ou o ropinirol (Requip®) e, fármacos conhecidos como inibidores da catecol-O-metiltransferase, como o entocapone (Comtan®),que como o prório nome indica, inibem esta enzima que é responsável pela degradação da dopamina e levodopa, pelo que ao inibi-la consegue-se aumentar a concentração daquelas substâncias no cérebro.
Para além de tudo isto, ainda há a considerar a selegilina (Jumex®), que se acredita poder ser útil numa fase precoce da doença, quando ainda há neurónios na substância negra a produzirem dopamina, uma vez que se pensa que este fármaco tem um efeito protector sobre aquelas células, protelando, assim, a evolução da doença e a necessidade de iniciar o tratamento com levodopa.
Por último, há que referir que medidas gerais, como a prática regular de exercício físico e uma dieta equilibrada podem contribuir para melhorar o bem estar destes pacientes e também o controlo corporal.
O que esperar?
A Doença de Parkinson é uma afecção não reversível, que se prolonga por toda a vida. No entanto, a qualidade de vida dos doentes pode ser, substancialmente, melhorada com a utilização da medicação, sendo que, por exemplo, com a levodopa há uma redução dos sintomas em cerca de 75% dos pacientes.