Por favor salvem esta menina. Apelo de Viana. Angola. Filha de 5 anos de idade que acerca de 2 anos está doente com Neoplasia Vesical (um tumor maligno na zona genital). O pouco que cada um pode dar já é muito para quem precisa, não precisamos ter muito para ajudar. Se cada um de nós depositar um pouco podemos ajudar a salvar a vida dessa menina. Quem puder ajudar pode depositar na conta: 000005001760033 ou IBAN A006.0034.0000.0500.1760.0334.1 de Lidia Manuel no banco Millenium

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Não quer casar? “Junta” para ficar mais saudável


Segundo um novo estudo, não são só as pessoas casadas que são mais felizes. Em termos de saúde, autoestima e bem-estar psicológico, o casamento oferece pouca vantagem sobre simplesmente viver junto, sem anéis de casamento.
Os pesquisadores explicam que é o relacionamento em si, ao invés de seu estatuto oficial, que é chave para os seus benefícios.
“Estar em um relacionamento romântico, independentemente da forma legal, prevê benefícios em relação aos solteiros”, disse a pesquisadora Kelly Musick.
Além disso, os resultados sugerem que, para alguns, a coabitação pode ser uma melhor opção do que o casamento.
Os participantes que coabitavam no estudo eram mais felizes e tinham uma maior autoestima do que aqueles que eram casados.
Isso pode ser porque a coabitação oferece mais espaço para a independência e crescimento pessoal, que pode ser particularmente importante para algumas pessoas em certas fases da vida.
Muitos estudos anteriores analisaram os benefícios do casamento com a comparação entre casais casados com pessoas solteiras, ou casados com casais que coabitaram em um ponto no tempo.
O novo estudo seguiu 2.737 homens e mulheres solteiros com mais de seis anos para ver o que aconteceu quando eles entraram em um relacionamento ou se casaram. Os dados do estudo foram tirados de pesquisas nacionais feitas nos EUA no final de 1980 e início de 1990.
Os participantes classificaram sua saúde geral e felicidade, e também responderam perguntas para avaliar a sua autoestima, depressão, e a força de seus laços com amigos e familiares.
Durante o período de estudo, cerca de 900 participantes se casaram ou começaram a viver com um parceiro romântico.
Em geral, tanto o casamento quanto a coabitação vieram com um pequeno aumento no bem-estar. Aqueles que se casaram ou começaram a viver com um parceiro tiveram níveis mais altos de felicidade, e menores níveis de depressão.
Pessoas que se casaram relataram melhor saúde geral em comparação com aquelas que moravam juntas, o que pode ser explicado por questões legais (tais como seguro de saúde para cônjuges) que vêm com o casamento.
No entanto, o casamento e a coabitação também reduziram o contato com a família e amigos em relação ao único ser, e este efeito durou mais tempo.
Como a pesquisa já é um pouco antiga, os pesquisadores não sabem se seus resultados seriam mais ou menos verdade hoje.
Por um lado, as experiências de casamento e convivência tornaram-se cada vez mais semelhantes. Mas, por outro lado, o casamento pode ainda realizar um maior status social do que a coabitação.
As novas descobertas são extremamente importantes porque fornecem uma imagem mais clara das vantagens do casamento, contra a visão de que o casamento é a solução para muitos dos nossos problemas, que é incrivelmente ingênua.
Na realidade, as pessoas que não se casam podem não fazê-lo porque isso não os deixa em uma melhor situação. No ambiente econômico de hoje, o casamento não traz os mesmos benefícios financeiros que costumava.
Os pesquisadores enfatizam que não são contra o casamento, pois ele é relevante para o bem-estar de algumas pessoas. Ainda assim, os resultados põem em causa o valor de usar recursos limitados em campanhas para promover o casamento sobre outras formas de família. Mais pesquisas são necessárias para melhor informar os políticos sobre as vantagens, ou a falta delas, de tais campanhas.[LiveScience]
http://hypescience.com/nao-quer-casar-junta-para-ficar-mais-saudavel/
Hypescience