segunda-feira, 21 de março de 2011

Segundo a OMS: A radiação nos alimentos é 'muito mais séria' de que o previsto


A Organização Mundial da Saúde (OMS) advertiu de que a detecção de radiação nos alimentos depois do terramoto que danificou a planta nuclear de Fukushima no Japão é um problema muito mais sério do que o previsto originalmente.

ELMUNDO.ES

"Está claro que é uma situação séria", disse desde Manila Peter Cordingley, porta-voz da delegação para o Pacífico Oeste da OMS.
"É muito mais sério do que pensávamos nos primeiros dias, quando acreditávamos que este tipo de problema podia limitar-se a 20 ou 30 quilómetros", declarou.
A radiação detectada em verduras, pó, leite e água contaminada estão aumentando o temor na região, pese a que funcionários nipónicos assegurem que os níveis não são perigosos.
O Governo japonês proibiu a venda de leite sem processar desde a prefeitura de Fukushima e de espinafres desde outra área próxima, e disse que poderia anunciar mais tarde restrições adicionais a outros alimentos.
Cordingley disse que a OMS não teme evidência de que os alimentos contaminados desde a prefeitura de Fukushima tenham chegado a outros países.
As autoridades registaram na água corrente níveis de iodo radioactivo três vezes superior ao limite legal numa população situada a 40 quilómetros da central nuclear de Fukushima, segundo comunicou o Governo, que também explicou que esta descoberta não implica um risco iminente para a saúde.
Na localidade de Litatemura, com cerca de 4.000 habitantes, os níveis de iodo estão situados nos 965 bequerelios por cada quilograma de água, frente aos 300 bequerelios por quilo estabelecidos como limite a partir do qual não é aconselhável beber água.
Em referência à radioactividade advertida nos vegetais cultivados nas prefeituras de Gunma, Tochigi (centro) e Chiba (centro-este), o organismo assegurou que não supõe uma ameaça para a saúde, pese a que ultrapassa os limites normais.
Nestas prefeituras, localizadas ao sul de Fukushima, detectou-se uma radiação excessiva nas folhas dos espinafres. Assim, as autoridades de Gunma ordenaram às cooperativas locais que interrompam o envio de produtos hortícolas e assumam a devolução dos enviados.
O maior problema está nos espinafres de algumas localidades de Ibaraki (centro-este), que superam 27 vezes os níveis legais de radioactividade. Sem dúvida, as autoridades delegaram nos governos municipais a decisão de cessar voluntariamente o comércio de alimentos possivelmente contaminados.

Imagem: Um agricultor num campo de espinafres na prefeitura de Ibaragi. | Reuters
Europa Press | Tokio