domingo, 23 de outubro de 2011

Luanda. 01Out. O horror no Hospital Américo Boavida.


Com tanto frio, os doentes estão apenas com um leve pano para protecção.
As empregadas de limpeza lavam o chão, uma delas com os esfregões, pergunta na outra, e esta canta morbidamente: «Atira para aí para o lixo». O lixo é os moribundos que jazem em estado de abandono no chão da morte. Mas que campo de concentração se erigiu e Angola consentiu.
O corredor que conduz aos doentes está inundado. A torneira está estragada, deixa jorrar água, porque não há ninguém que a repare.