quarta-feira, 25 de abril de 2012

Mochilas pesadas podem levar crianças a dores crônicas nas costas e escoliose


Você com certeza deve conhecer alguma criança que leva um peso absurdo na mochila da escola. Independente do peso específico, ele sempre parece ser muito para aqueles pequenos ossos e músculos ainda em formação. E são, podendo levar a dores crônicas nas costas e a prejuízos ortopédicos duradouros.
Segundo o médico Pierre D’Hemecourt, do Hospital Infantil de Boston, Estados Unidos, fraturas das costas, inflamação da cartilagem, luxação do pescoço e danos aos nervos do pescoço e dos ombros figuram entre os riscos de se carregar muito peso.
Uma comissão federal dos Estados Unidos reportou que carregar uma mochila de cerca de 5 quilogramas durante um ano tem um peso acumulativo nos corpos das crianças equivalente a pouco mais de 9 toneladas (cerca de seis carros populares).
E esse problema tem chamado atenção de administradores públicos em todo o mundo. Pesquisadores de Milão, Itália, descobriram que mais de 34% das crianças italianas carregavam o equivalente a mais de 30% do seu peso corporal pelo menos uma vez por semana, excedendo os limites para os adultos.
Em outro estudo, na Espanha, que avaliou o peso das mochilas e a saúde de mais de 1.400 crianças entre 12 e 17 anos, mais de 60% carregavam mochilas com peso equivalente a 10% de seu peso corporal. Sem surpresa alguma, um em cada quatro estudantes sofreu de dores nas costas por mais de 15 dias. A escoliose foi responsável por 70% dos casos com dores.
Segundo especialistas, o fato de vivermos na era digital pode ser a solução para esses problemas. Livros digitais e a possibilidade de fazer lições online devem entrar na pauta das escolas.
Mas há um probleminha se isso acontecer: a desculpa de que o cachorro comeu sua tarefa vira coisa do passado. As melhores desculpas serão “minha bateria estragou e não pude carregá-la” ou “derrubei meu iPad na banheira”. Será que cola? [TheNewYorkTimes, Foto]