quinta-feira, 11 de junho de 2009

Psicologia


Todo indivíduo tem diferentes maneiras de se comunicar, incluindo as expressões verbais, corporais, artísticas, etc. As expressões corporais dão vida ao que falamos, muitas vezes dizendo até mais que as próprias palavras.

Elas deixam transparecer o que sentimos e exteriorizam nossas emoções. O indivíduo que tende a reprimir suas expressões, de uma certa forma, reprime também suas emoções. E estas são importantíssimas devendo ser vivenciadas, experimentadas, faladas e expressadas em sua plenitude, pois elas são um movimento de vida!

Se pensarmos em emoção como um tipo de energia, ou seja, como algo que precisa se movimentar, circular, ser colocado para fora, podemos pensar que, um bloqueio neste processo impedirá que o livre fluxo dessa energia aconteça.

O fluxo interrompido não permitirá sua liberação que, tende a ser compensada ou deslocada para alguma parte do corpo. Ou seja, o indivíduo somatiza corporalmente, seu sofrimento psíquico, utilizando seu próprio corpo, como veículo para expressar suas emoções.

É por isso que muitas vezes ouvimos falar em doenças de “fundo emocional”, como aquelas decorrentes do estresse, por exemplo. Um estado de tensão pode se acumular a cada dia e se tornar crônico, deixando que o indivíduo se torne incapaz de relaxar, gerando conseqüências físicas, tais como: dores de cabeças, tensões musculares, fadiga, entre outras.

Tanto o corpo, quanto a mente, sofrem de forma simultânea, pois descartando a visão cartesiana de antigamente, hoje mente e corpo são considerados como um todo integrado, onde tanto os processos mentais influenciam os corporais e vice-versa. A saúde atualmente, não é mais vista como um simples bem estar físico, pois para isto acontecer é fundamental um estado mental sadio.

As tensões limitam os movimentos, a respiração e a expressão dos sentimentos. Por isso que cuidar da mente é tão importante quanto cuidar do corpo, pois são duas coisas inseparáveis. Um processo mental sadio, não permanecerá assim, se o corpo não estiver em bom funcionamento e vice-versa.

Além dos aspectos físicos e mentais, o corpo deve ser valorizado também de acordo com o contexto no qual está inserido. Portanto, o estilo de vida e a maneira de se relacionar com o mundo, irão repercutir, positivamente ou não, em cada indivíduo de maneira singular e significativa.

Com o passar do tempo o nosso corpo, torna-se uma autobiografia. Isto porque as emoções que são vivenciadas corporalmente ao serem bloqueadas vão deixando marcas, como registros da história de cada pessoa e vão se cronificando ao longo da vida.

Para recuperação do equilíbrio corporal, esses bloqueios devem ser dissolvidos através das vivências dos sentimentos que estão ocultos; da expressão deles da maneira mais completa possível e da busca por um estilo de vida mais saudável, ou seja, valorizando também, neste processo de recuperação, a atividade física e uma alimentação saudável.

Essa mudança de atitude ajudará o ser humano a se relacionar de uma melhor maneira com seu ambiente e a recuperar a verdadeira capacidade de vivenciar todas as suas emoções e sentimentos, resgatando o prazer vital.

Eva Holmes
Psicóloga
http://www.sitemedico.com.br/sm/materias/index.php?mat=1604