sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Sonhos violentos podem prever problemas cerebrais


Um novo estudo sugere que um raro distúrbio do sono em que as pessoas se movimentam durante sonhos, às vezes dando socos, chutes e gritos violentos, pode ser um sinal precoce de doenças do cérebro, incluindo mal de Parkinson e demência.

De acordo com os pesquisadores, os resultados indicam que os estágios incipientes das doenças neurodegenerativas podem começar décadas antes de uma pessoa, ou um médico, saber que ela existe.

Os pesquisadores examinaram registros médicos de uma clínica para identificar casos do chamado distúrbio comportamental do sono REM (rapid eye movement, ou, em português, movimento rápido dos olhos) relatados entre 2002 e 2006. Os investigadores identificaram 27 pacientes que desenvolveram o distúrbio comportamental do sono REM pelo menos 15 anos antes de apresentem sintomas de doenças neurodegenerativas.

Destes pacientes, 13 desenvolveram o que provavelmente era demência e comprometimento cognitivo leve, 12 desenvolveram mal de Parkinson, uma pessoa desenvolveu Parkinson com demência, e uma pessoa desenvolveu atrofia de múltiplos sistemas (uma doença que provoca sintomas semelhantes ao Parkinson). Os resultados mostraram que o tempo entre o início do distúrbio do sono e os sintomas da doença neurológica variou até 50 anos.

Os cientistas estimam que o transtorno do sono REM tenha uma prevalência em adultos de 0,4% a 0,5% e afeta predominantemente adultos mais velhos. O principal sintoma do distúrbio é comportamento articulado no sonho, que pode terminar na pessoa se ferindo ou ferindo um companheiro de cama. Quando a pessoa acorda, ela pode se recordar vividamente do sonho correspondente aos chutes ou socos ao redor.

Pesquisas anteriores já sugeriam uma ligação entre o comportamento articulado no sonho e algumas doenças neurodegenerativas. [LiveScience]

http://hypescience.com/sonhos-violentos-podem-prever-problemas-cerebrais/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+feedburner/xgpv+(HypeScience)

HYPESCIENCE