Por favor salvem esta menina. Apelo de Viana. Angola. Filha de 5 anos de idade que acerca de 2 anos está doente com Neoplasia Vesical (um tumor maligno na zona genital). O pouco que cada um pode dar já é muito para quem precisa, não precisamos ter muito para ajudar. Se cada um de nós depositar um pouco podemos ajudar a salvar a vida dessa menina. Quem puder ajudar pode depositar na conta: 000005001760033 ou IBAN A006.0034.0000.0500.1760.0334.1 de Lidia Manuel no banco Millenium

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Estresse realmente dá cabelo branco – e pode causar muitas outras doenças


Segundo uma nova pesquisa, quando as coisas ficam difíceis na nossa vida, produtos químicos são acionados e danificam nosso DNA, nos levando a parecer mais velhos e aumentando nosso risco de doenças.

Em um experimento, camundongos que receberam um composto de adrenalina para ativar o estresse tiveram quantidades reduzidas de uma proteína que nos mantém saudáveis, ao proteger nossas células de anormalidades em desenvolvimento.

“Isso pode explicar como o estresse crônico leva a uma variedade de condições e transtornos humanos, que vão desde consequências meramente cosméticas, como cabelo grisalho, até doenças com risco de vida, como neoplasias malignas”, diz o pesquisador Robert Lefkowitz.

Os cientistas descobriram um mecanismo molecular pelo qual a adrenalina atuou para destruir DNA. O composto injetado nos ratos levou à degradação da proteína chamada p53, apelidada de “guardiã do genoma” por seu papel na prevenção do câncer, que diminuiu de níveis ao longo do tempo.

“Esse estudo é o primeiro a propor um mecanismo específico através do qual uma marca registrada do estresse crônico, a adrenalina elevada, poderia, eventualmente, causar danos detectáveis ao DNA”, afirma Lefkowitz.

Nos ratos, a perda de níveis de p53 ocorreu tanto no timo, um órgão que responde ao estresse fortemente agudo ou crônico, e nos testículos, onde o estresse pode afetar o genoma uma prole.

O estudo também mostrou que os danos ao DNA podem ser impedidos em camundongos sem uma proteína conhecida como beta-arrestina 1.

O próximo passo da equipe é colocar os ratos sob estresse ao restringi-los de criar sua própria adrenalina ou reação de estresse, para descobrir se essas reações físicas também levam a danos no DNA.[Telegraph]

http://hypescience.com/estresse-realmente-da-cabelo-branco-e-pode-causar-muitas-outras-doencas/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+feedburner%2Fxgpv+%28HypeScience%29

Hypescience