domingo, 1 de maio de 2011

Descoberta da AIDS completa trinta anos, mas a doença existe há mais de cem


O primeiro caso de AIDS identificado no mundo ocorreu em junho de 1981, com cinco jovens homossexuais em Los Angeles (EUA). O acontecimento fará aniversário de trinta anos daqui a menos de dois meses. Apesar disso, já se descobriu que o vírus HIV circula entre os seres humanos há mais de cem anos. Uma dúvida freqüente da ciência é justamente o motivo pelo qual a medicina demorou mais de sete décadas para identificar corretamente o vírus da AIDS.

O caso dos rapazes de Los Angeles foi inicialmente identificado como pneumonia. Três meses depois do primeiro diagnóstico, exames revelaram a presença de um retrovírus que ataca diretamente as células do sangue. Quando foi mais bem conhecido, o vírus foi nomeado “human imunodeficiency virus”, o HIV.

Pouca gente conhece o SIV (simian imunodeficiency virus), que é um “equivalente” entre os macacos do causador da AIDS. A teoria mais aceita para o surgimento da AIDS entre os humanos é que o vírus ingressou na nossa espécie a partir de aldeias no Oeste da África, que se alimentavam de macacos.

Duas amostras de sangue, coletadas há 50 anos (mas analisadas apenas em 2008), deram essa resposta. Na República Democrática do Congo (RDC, ex-Zaire), examinaram uma amostra de 1959 e outra de 1960, e ambas continham o vírus. Observando os genes contidos no sangue, remontaram o surgimento do vírus entre 1902 e 1921, ou seja, no mínimo há 90 anos já havia portadores do HIV.

A partir dessas amostras e de exames subseqüentes, foi possível traçar o provável caminho que o HIV percorreu pelo mundo. Deixando a África Subsaariana, migrou com algum viajante para o Haiti, e chegou aos Estados Unidos em 1969, onde seria descoberto doze anos depois. É a baixa ocorrência do vírus, segundo um cientista britânico, o que explica a demora da ciência em descobrir o vírus. Estima-se que apenas 4000 pessoas continham o vírus em toda a África no início dos anos 60, data das amostras, ou seja, foi como uma agulha no palheiro encontrar duas pessoas portadoras entre milhões de amostras.

Os cientistas admitem, de maneira geral, que não seria mesmo fácil detectar o vírus HIV. Quando os quatro jovens em Los Angeles foram identificados como portadores em 1981, já havia nada menos do que 100.000 casos não esclarecidos da doença só nos Estados Unidos. Na África, onde a medicina ainda é bem mais atrasada hoje, imagine há cinquenta anos, não é surpresa que o HIV tenha passado setenta anos sem ser identificado. [New Scientist]

http://hypescience.com/descoberta-da-aids-completa-trinta-anos-mas-a-doenca-existe-ha-mais-de-cem/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+feedburner%2Fxgpv+%28HypeScience%29

Hypescience