Trabalhos de Ghost , writer. Não tem tempo, não consegue escrever um romance, uma novela, um conto, uma crónica, uma poesia, a sua biografia? Envie email para upanixade@gmail.com e a sua paz interior resplandecerá de intenso amor. (Imagem: allthingsplants.com)

terça-feira, 21 de julho de 2009

Ministério da Saúde de Angola


Ministério da Saúde de Angola (1)
O ministro da Saúde de Angola, José Van-Dúnem, a estas horas não saberá o que fazer, depois da morte de mais um cidadão a quem foi igualmente negada assistência médica de urgência no mesmo hospital em que tal aconteceu com a Mingota.

SEMANÁRIO ANGOLENSE

Desta vez, foi uma criança, a quem os médicos em serviço não assistiram de imediato, por estarem «cansados e com fome», conforme alegaram. E isto apenas alguns dias depois de ter prometido que tal não voltaria acontecer, não só no «Américo Boavida», como nos demais hospitais públicos. O tiro saiu-lhe pela culatra. Mais grave ainda é o facto da pessoa a quem passou a confiar os destinos do HaB ter demonstrado uma incivilidade de bradar aos céus, a ponto de desafiar os familiares da vítima a irem queixar-se onde quisessem. E agora, Sr. ministro? Também a vai demitir apenas ou irá colocar o seu próprio cargo à disposição? Num país a sério, seria o mais lógico…


Ministério da Saúde de Angola (2)
Como já dizíamos, Carlos Mariano, no fundo, no fundo, teria sido um mero bode expiatório para uma situação que foi reflexo do caos em que se encontra o sistema nacional de saúde, cujas culpas têm de ser buscadas muito acima de si. A sua demissão da direcção do hospital Américo Boavida, como resultado do «caso Mingota», mostra-se agora como uma espécie de camuflagem para os reais problemas em que estão mergulhados os hospitais públicos, cuja dimensão nos é dada a ver agora com uma frequência inusitada, talvez porque antes fossem simplesmente ignorados, sem o destaque que a imprensa nacional passou a dedicar-lhes nos dias correntes. Ao invés de estar a acompanhar o alegado desenvolvimento que o país tem registado, parece que o sector da saúde regrediu uns 20 anos. De resto, quando se chega ao cúmulo de pacientes serem violadas, só pode ser o caos. Está demais!

Imagem: http://perdidoeachado.blogspot.com/2008_03_01_archive.html