sexta-feira, 6 de novembro de 2009

A Cura por meios paranormais no contexto médico. A hipótese do fenômeno paranormal.


Há quem defenda a legalização do curandeirismo, como o professor de Direito e promotor público Djalma Gabriel Barreto, baseado na possibilidade de ocorrência da integração mente-organismo vivo e, conseqüentemente, do retomo à condição de hígido.

http://www.espirito.org.br/portal/artigos/diversos/mediunidade/a-cura-no-contexto-medico.html

Admite seu exercício, desde que acompanhado por profissional médico (l0). Esta é uma questão bastante polêmica, merecendo, por parte de todo médico, uma reflexão profunda para que não ocorra agressão ou prejuízo à população.

A "cirurgia psíquica", já comentada anteriormente, requer uma maior atenção, haja vista que:
apresentam técnicas primitivas;
não é feito um acompanhamento adequado das complicações pós-cirúrgicas;
não são realmente psíquicas, já que se utilizam de instrumentos materiais;
colocam em fisco a integridade física, e até mesmo psíquica, do paciente;
apresentam resultados muito aquém da medicina tradicional ; f) não possuem nenhum embasamento de natureza científica.

Como vemos, esse é um campo altamente complexo, que requer bastante cuidado e precauções na sua abordagem.

Conclusão
A ciência, sendo incapaz de lidar diretamente com a realidade, busca a elaboração de representações de modelos que mais fielmente explicitem a dinâmica dos fenômenos da natureza. Dentro de sua metodologia, procura trabalhar com modelos mais simples, com a menor quantidade de suposições possíveis.

A mente humana parece possuir o potencial de agir sobre o seu próprio organismo, bem como sobre objetos externos. Através de sugestões, de uma crença em determinado fato, somos capazes de mobilizar reservas internas que incrementam nossas defesas contra agentes agressores; além disso, podemos provocar alterações fisiológicas que permitem o desaparecimento ou diminuição das sensações nociceptivas e a produção de hemostasia. Todos esses fenômenos favorecem o restabelecimento da saúde sem que se faça necessária a utilização de hipóteses mais complexas.

Em alguns casos, a ação do psiquismo sobre o próprio organismo do indivíduo não é suficiente para explicar o conjunto de fenômenos observados, sendo necessário acrescentar a hipótese do fenômeno paranormal. É o que ocorre, por exemplo, na ação de curandeiros sobre animais e plantas, que, teoricamente, não são sugestionáveis.

É importante, também, que destaquemos o aspecto do exercício legal da profissão médica, tanto no que se refere à capacitação quanto ao registro em órgão oficial de regulamentação do exercício da Medicina.

A prática do curandeirismo, principalmente no caso das chamadas "cirurgias psíquicas", deve ser desestimulada, pelo risco que envolve e pelo resultado inferior, ou, no máximo, igual ao das terapêuticas convencionais.