terça-feira, 26 de maio de 2009

Medicina nos Anos Dois Mil (4)


Por Manuel Luciano da Silva, Médico
Em 1821 Michael Faraday (inglês) inventou o primeiro motor capaz de produzir eletricidade! Esta descoberta teve um impacto tremendo no mundo.

Em 1836, Louis Daguerre, francês, descobriu o método de fazer fotografia. Esta invenção teve um impacto enorme na história da comunicação e na medicina principalmente na radiografa e na técnica dos scans CAT e MRI.

Em 1861, Nikolaus August Otto, (alemão) descobriu o motor do automóvel com quatro cilindros, originando uma verdadeira revolução nos transportes.

Em 1875 Alexander Graham Bell (escocês-americano) registou a patente da sua descoberta do telefone que veio a revolucionar o mundo nas comunicações e na medicina.

Em 1879 Thomas Alva Edison (americano) descobriu a lâmpada eléctrica, o cinema e grafonola, realizando mais de um milhar de invenções, todas de grande importância.

Em 1896 Antoine Henri Becquerel (francês) descobriu que o urânio emitia radioatividade, conceito muito importante no tratamento dos cancros.

Em 1898, Guglielmo Marconi realizou com sucesso a sua primeira transmissão sem fios através do Canal da Mancha. Tinha assim descoberto a telefonia sem fios!

O Século XX medicamente

Há cem anos, portanto ao terminar o Século XIX, com tantas descobertas sensacionais a juntar a tantas outras alcançadas por verdadeiros gigantes nos séculos anteriores, certamente que as várias nações no mundo tinham muitas razões para se sentirem muito optimistas, no limiar do novo Século XX, isto é, no início do século que está agora a terminar.

Mas sob o ponto de vista político os prognósticos para o Século XX falharam. Ninguém contava com duas Guerras Mundiais, com a grande depressão mundial de 1929 e com o uso da bomba atómica capaz de matar tantos milhares de seres humanos duma só vez!

Os próximos cem anos

Baseados nos factos históricos e dramáticos dos séculos passados o que é que poderemos prognosticar, adivinhar, para o Século XXI?

Primeiro devemos examinar certos factos. Há cem anos a população dos Estados Unidos era 76 milhões. Agora é de 274 milhões, portanto aumentou em cem anos quatro vezes. Neste caminho daqui a cem anos a população dos Estados Unidos será de um bilião de habitantes! Impossível? Foi o que aconteceu à China. Se agora com uma população de 274 milhões temos problemas graves em controlar a sociedade americana, por causa do uso das armas de fogo, das drogas e da sida, o que vai acontecer aos direitos humanos na América nos próximos cem anos?

Há cem anos a longevidade dos americanos era de 46 anos para os homens. Hoje é 74. Para as mulheres era 46 anos, hoje é de 78. Praticamente duplicou. Antevejo que a longevidade média dos americanos, nos Anos Dois Mil, possa atingir os 100 anos. Duvido todavia que chegue aos 120 anos, como parece estar programado nos nossos cromossomas. (Os cães podem atingir os 20 anos e as tartarugas 150).

Se a longevidade dos americanos duplicou julgo ser oportuno agora revermos as grandes descobertas da medicina no Século XX para melhor prognosticarmos o que poderá acontecer medicamente nos Anos Dois Mil.


Insulina

A primeira grande descoberta médica do Século XX foi a aquisição da Insulina em 1920 por Frederick Banting and Charles Best, em Toronto, Canadá. Até esta data os diabéticos do tipo I estavam condenados à morte. Em 1950 descobriram-se as pastilhas para os diabéticos do Tipo II. Mas no próximo século a medicina vai descobrir ainda uma maneira mais eficiente de controlar ou evitar a diabetes, quer por medicamentos quer por tratamento genético.

Hormonas

Outro marco importantíssimo da medicina foi a descoberta de várias hormonas não só da glândula tiróide, da paratiróide, da pituitária, e das supra-renais com especial referência para a cortisona e o entendimento metabólico que as mesmas hormonas representam não só para o crescimento, para as funções sexuais, para o controle da tensão arterial, para o controle do açúcar e do colesterol. No Século XXI só falta descobrir a hormona do elixir da longa vida!

Imagem: Descobridores da Insulina: Dr. Best e Dr. Banting