Por favor salvem esta menina. Apelo de Viana. Angola. Filha de 5 anos de idade que acerca de 2 anos está doente com Neoplasia Vesical (um tumor maligno na zona genital). O pouco que cada um pode dar já é muito para quem precisa, não precisamos ter muito para ajudar. Se cada um de nós depositar um pouco podemos ajudar a salvar a vida dessa menina. Quem puder ajudar pode depositar na conta: 000005001760033 ou IBAN A006.0034.0000.0500.1760.0334.1 de Lidia Manuel no banco Millenium

terça-feira, 5 de junho de 2012

Comer insetos para combater a crise


Os insetos são ricos em ferro, têm proteínas, vitaminas e emitem menos gases com efeito de estufa do que um bovino. Um dia vamos acabar por tê-los como prato principal...  
Em tempos de crise tudo conta para conseguir ultrapassar as dificuldades. A revista francesa "Marianne" deixa uma sugestão: comer insetos.
A ideia é, para a maior parte das pessoas, repugnante. No entanto, os insetos cozinhados são um tipo de alimentação popular em países da Ásia, da África e da América do Sul. A popularidade deste tipo de alimentação é tanta que, em média, cada pessoa ingere 500 gramas de insetos por ano, diz a revista.
A "Marianne" apresenta vários motivos que podem fazer as pessoas começarem a olhar de maneira diferente para os insetos. A explosão demográfica, a malnutrição e a agricultura, que não consegue produzir o suficiente, tornam os insetos mais rentáveis. O facto de estes terem também bastantes proteínas, serem uma fonte de ferro, ricos em vitaminas e multiplicarem-se facilmente faz com que sejam alimentos a considerar.
Num mundo ocidental onde o número de obesos cresce, a procura por alimentos sem gordura é uma prioridade para quem não quer ganhar peso. Ora, os insetos contém pouca gordura. Além disso, produzem 100 vezes menos gases com efeito de estufa do que um bovino.
"Vamos chegar à altura em que um Big Mac [hambúrguer do Macdonalds] vai custar 120 euros e um Big Bug [significa inseto em português] custará 12 euros. Ou então vamos ter mais pessoas a comer insetos do que carne", afirmou à revista francesa o entomologista (especialista em insetos) holandês Arnold van Huis.
Imagem: cozinheira tailandesa prepara-se para fazer um prato com insectos, Banguecoque