Por favor salvem esta menina. Apelo de Viana. Angola. Filha de 5 anos de idade que acerca de 2 anos está doente com Neoplasia Vesical (um tumor maligno na zona genital). O pouco que cada um pode dar já é muito para quem precisa, não precisamos ter muito para ajudar. Se cada um de nós depositar um pouco podemos ajudar a salvar a vida dessa menina. Quem puder ajudar pode depositar na conta: 000005001760033 ou IBAN A006.0034.0000.0500.1760.0334.1 de Lidia Manuel no banco Millenium

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Cérebro adolescente ainda está em desenvolvimento


Adolescentes podem fazer coisas terríveis. Em 1999, Kuntrell Jackson, 14 anos, estava andando com seu primo e um amigo pela vizinhança, em Blytheville, Arkansas, Estados Unidos (EUA), quando decidiram roubar uma vídeo-locadora. No caminho, seu amigo, Derrick Shields, revelou que estava carregando uma espingarda na manga de seu casaco. Durante o roubo, Shields atirou no rosto de uma atendente, o que a levou à morte imediatamente.
Quatro anos depois, Evan Miller, 14 anos, e um amigo mais velho estavam bebendo e resolveram jogar pedras no trailer vizinho, em Moulton, Alabama, EUA. Isso deu início a uma briga. Miller e seu amigo espancaram seu vizinho com um taco de baseball, puseram fogo à casa dele e fugiram. Ambos foram considerados culpados por homicídio e sentenciados à prisão perpétua.
Mas eles não estão sozinhos. Só nos EUA, há mais de 2.500 pessoas que pagam por crimes cometidos durante a adolescência – antes dos 18 anos. Agora, Miller e seu colega recorreram da sentença, alegando imaturidade e arrependimento. O caso será julgado durante o verão (no hemisfério norte).
Somado a isso, a recente descoberta da neurociência pode fazer com que decisões severas, como a tomada no caso Miller, não ocorram mais. Segundo diversos cientistas, cujos argumentos serão usados no julgamento, o desenvolvimento do cérebro humano não termina antes dos 20 anos. Isso explicaria porque adolescentes são mais impulsivos, mais irresponsáveis e mais influenciados por seus colegas.
A psiquiatra Bea Luna, da Universidade de Pittsburgh, EUA, conta que fica satisfeita ao ver seu trabalho ser relevante para a sociedade. Mas os detratores acreditam que as opiniões dos neurocientistas são apenas desculpas e retóricas extras para os advogados defenderem seus clientes. Emily Murphy, da Universidade Stanford, na Califórnia, EUA, sentencia que a neurociência está sendo usada para joguinhos de tribunal.
O que você acha? Adolescentes deveriam ser responsáveis por seu crime ou a ciência deve ser levada em conta quando diz que eles ainda não estão preparados para tomar ações maduras? [Nature]