Por favor salvem esta menina. Apelo de Viana. Angola. Filha de 5 anos de idade que acerca de 2 anos está doente com Neoplasia Vesical (um tumor maligno na zona genital). O pouco que cada um pode dar já é muito para quem precisa, não precisamos ter muito para ajudar. Se cada um de nós depositar um pouco podemos ajudar a salvar a vida dessa menina. Quem puder ajudar pode depositar na conta: 000005001760033 ou IBAN A006.0034.0000.0500.1760.0334.1 de Lidia Manuel no banco Millenium

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Desenhar pode indicar risco de derrame em homens mais velhos


O químico e empresário sueco Alfred Bernhard Nobel (1833-1896), o ator inglês Alan Napier (1988) – mundialmente conhecido por sua interpretação de Alfred Pennyworth no seriado ‘Batman’ da década de 1960 – e o cineasta japonês Akira Kurosawa (1910-1998).
O que essas pessoas aparentemente tão diferentes têm em comum? Todas foram vítimas do acidente vascular cerebral (AVC), vulgo derrame.
Segundo a Organização Mundial da Saúde, o AVC é a segunda maior causa de mortes em todo o mundo, sendo responsável por quase 10% dos falecimentos anuais em todo o globo. Só no Brasil, a cada cinco minutos uma pessoa é vítima da doença, transformando-se na primeira causa de morte e incapacidade no país, de acordo com a Sociedade Brasileira de Neurologia.
Mas, afinal, o que é AVC? O acidente vascular cerebral acontece quando artérias que irrigam o cérebro se rompem ou são obstruídas, o que acaba por provocar a morte do tecido cerebral.
Um teste pode ajudar
Embora as estatísticas nos preocupem, cientistas descobriram um teste que pode prever o risco de homens mais velhos terem a doença.
O teste é simples: desenhar linhas entre alguns pontos numéricos, em ordem crescente, o mais rápido que conseguir.
Aqueles que não se saem bem no teste têm 3 vezes mais chances de morrer de um derrame que aqueles que tiveram sucesso na tarefa.
A pesquisa contou com mil homens, entre 67 e 75 anos, e os acompanhou por 14 longos anos. Dos 155 que sofreram AVC, 22 morreram dentro de um mês.
Segundos os cientistas da Universidade de Uppsala, na Suécia, responsáveis pelo estudo, o teste consegue revelar qualquer dano escondido às artérias cerebrais, mesmo que não existam sinais ou sintomas óbvios.
E esse resultado aponta para o fato de que podem existir mudanças biológicas ainda desconhecidas pelos especialistas que anunciem um futuro AVC. Agora, os pesquisadores querem descobrir que sinais são esses, exatamente.
De acordo com Bernice Wiberg, responsável pelo estudo, os testes são simples, baratos e altamente acessíveis para usos clínicos. “Eles podem ser uma ferramenta valiosa se aliados aos métodos tradicionais de medir pressão sanguínea e outros fatores de risco”, conta Wiberg. [BBC, UOL, OMS]