Por favor salvem esta menina. Apelo de Viana. Angola. Filha de 5 anos de idade que acerca de 2 anos está doente com Neoplasia Vesical (um tumor maligno na zona genital). O pouco que cada um pode dar já é muito para quem precisa, não precisamos ter muito para ajudar. Se cada um de nós depositar um pouco podemos ajudar a salvar a vida dessa menina. Quem puder ajudar pode depositar na conta: 000005001760033 ou IBAN A006.0034.0000.0500.1760.0334.1 de Lidia Manuel no banco Millenium

terça-feira, 8 de maio de 2012

Sinais de Alzheimer podem aparecer 10 anos antes da doença ser diagnosticada


Um estudo descobriu que os cérebros podem começar a mostrar sinais de mal de Alzheimer cerca de uma década antes da condição ser reconhecida pelos médicos.
Varreduras do cérebro mostram uma retração no córtex cerebral de idosos que posteriormente desenvolveram a demência. Isso sugere um “indicador” para o mal de Alzheimer. Dessa forma, os médicos podem identificar os pacientes em maior risco de desenvolver a doença.
65 idosos, com cerca de 70 anos quando o estudo começou, participaram da pesquisa. Seus cérebros foram escaneados por ressonância magnética. Os pesquisadores também mediram o tamanho das regiões do cérebro implicadas no mal de Alzheimer.
Os participantes com as menores medidas eram três vezes mais propensos a desenvolver Alzheimer em 10 anos. Porém, como o estudo foi pequeno, mais pesquisas são necessárias antes de aplicar tal indicador à população em geral.
No início do estudo, os participantes eram cognitivamente normais e não tinham sintomas da doença. Eles foram seguidos por uma média de nove anos, submetidos a testes para avaliar as mudanças em suas capacidades mentais.
Ao final do estudo, 15 participantes desenvolveram deficiência mental ou demência, característica do mal de Alzheimer, condição que só é oficialmente diagnosticada por autópsia.
Estes participantes tenderam a apresentar retração em algumas partes do córtex cerebral envolvidas na doença. O córtex cerebral é a camada mais externa do cérebro, envolvida em pensar, lembrar e planejar, funções que são afetadas pelo mal de Alzheimer. Nos participantes que desenvolveram a demência associada ao Alzheimer, esta camada era mais fina.
Os participantes foram divididos em três grupos com base em suas medições de córtex cerebral. Entre aqueles com as menores medidas, 55% desenvolveram a demência associada ao Alzheimer, em comparação com 20% no grupo com medidas médias, e nenhum no grupo com maiores medidas.
Segundo os pesquisadores, esta medida é potencialmente um marcador de alterações precoces no cérebro associadas ao mal de Alzheimer, e poderia ajudar a prever quem está em risco, e até mesmo quanto tempo a pessoa teria até que a demência se desenvolvesse.
Se alguma terapia, droga ou tratamento for desenvolvido no futuro, aqueles que ainda estão sem sintomas, mas com grande risco, seriam os mais beneficiados.
Os cientistas lembram que o estudo procurou um padrão de encolhimento do cérebro através de um número de áreas cerebrais. Incluir um grande número de áreas do cérebro na análise pode aumentar a exatidão de tais testes para identificar precocemente a doença.
Quanto mais alterações em uma rede de áreas associadas com o mal de Alzheimer, maior confiança o médico terá de que o paciente realmente está sofrendo mudanças associadas com a condição.[LiveScience]