Por favor salvem esta menina. Apelo de Viana. Angola. Filha de 5 anos de idade que acerca de 2 anos está doente com Neoplasia Vesical (um tumor maligno na zona genital). O pouco que cada um pode dar já é muito para quem precisa, não precisamos ter muito para ajudar. Se cada um de nós depositar um pouco podemos ajudar a salvar a vida dessa menina. Quem puder ajudar pode depositar na conta: 000005001760033 ou IBAN A006.0034.0000.0500.1760.0334.1 de Lidia Manuel no banco Millenium

terça-feira, 8 de maio de 2012

Nas cidades de Maputo e Beira. Standard Bank distribui centenas de redes mosquiteiras


Maputo (Canalmoz) – Ainda no âmbito das celebrações do Dia Mundial de Luta Contra a Malária, que se assinalou a 25 de Abril, o Standard Bank, acaba de ofereceu 500 redes mosquiteiras à Pediatria do Hospital Central da Beira. Igual quantidade de redes mosquiteiras foi  também distribuída, domingo último, em Maputo, entre adeptos e jogadores, no decurso do jogo entre o Costa do Sol e a Liga Muçulmana.

Com esta acção de responsabilidade social, o Standard Bank diz pretender  motivar as pessoas a se protegerem da malária usando, também, as redes mosquiteiras, que são consideradas um mecanismo bastante eficaz para a protecção contra as picadas de mosquitos.
Na partida de futebol entre o Costa do Sol e a Liga Muçulmana, referente à oitava jornada da primeira volta do Moçambola – 2012, o  Banco colocou as redes mosquiteiras à disposição dos adeptos na bilheteira, enquanto outras redes foram lançadas pelos atletas de ambas as equipas para a assistência nas bancadas.

A propósito desta acção, António Coutinho, administrador delegado do Standard Bank, referiu que se tratou de “mais uma oportunidade para o Banco demonstrar as suas acções e esforços na luta contra esta pandemia, tendo em conta que a malária é uma das principais doenças que mais óbitos causa em África”. Disse, ainda, esperar que esta campanha tenha tido um impacto positivo não só para os adeptos do futebol e jogadores, mas também para a sociedade em geral, pois “estamos a contribuir para a elevação do conhecimento da prevenção da malária”.
Refira-se que em Moçambique a malária continua a constituir a principal causa de mortalidade e morbimortalidade, reportando-se anualmente cerca de seis milhões de casos. Estima-se ainda que cerca de 36 mil crianças morram todos os anos, vítimas desta pandemia. (Redacção)