sábado, 13 de novembro de 2010

David Mendes detido


Domingo, 14 Novembro 2010 00:26
Luanda - Pelo menos dez activistas do PP-partido popular foram detidos sabado de manhã por agentes da polícia nacional quando procediam a distribuição de papeis, contendo por um lado o manifesto e por outro, um reproduzido de uma Carta Aberta enviada ao governador da província de Luanda.

*Alexandre Neto Fonte: VOA CLUB-K.NET

Regime do MPLA prende opositores

O grupo que foi imediatamente conduzido a 36ª Esquadra da polícia sita no município do Kilamba Kiaxi, incluía o advogado David Mendes que é presidente do partido.

Depois de horas de detenção, Júlio Leite Velho, um oficial identificado como o comandante da referida Esquadra dirigiu-se ao grupo para soltá-los sem mais contemplações.

Pelo interesse que suscitou o acontecimento, solicitado por nós, o comandante não só não aceitou falar, como negou que tivessem estado detidas pessoas naquela esquadra.

A nossa reportagem presenciou o momento em que os homens foram restituídos a liberdade, saindo do quintal da unidade policial para o exterior do edifício.

Pouco antes da soltura havíamos solicitado autorização de entrada nas cadeias ou espaço equivalente, sem que isto fosse aceite pelo chefe do Piquete que identificado pelo nome de Júlio. O mesmo oficial por nós contactado que minutos antes dissera ser desconhecedor da presença de detidos no local.

David Mendes entrevistado pouco depois da soltura disse que há já algumas semanas que o partido desenvolve actividades do género. O propósito segundo adiantou, é fazer conhecer a organização na sociedade e solidarizar-se com o sofrimento das populações. A primeira delas teve lugar no Lubango sem nenhum incidente.

Na acção d’hoje um dos grupos composto de mais de 50 pessoas trabalhavam no Kimbangu, populoso bairro do Palanca, município do Kilamba Kiaxi, o segundo de Luanda.

Na Carta Aberta ao governador a que tivemos acesso, o PP denuncia a recolha de milhões de Kwanzas efectuada pelas autoridades junto das populações, com promessas de concessão de parcelas de terra, sem que procedesse a entrega das mesmas até ao momento.

“Até hoje, o governo não é capaz de dizer onde está o dinheiro burlado aos cidadãos, nem é capaz de indicar onde estão os terrenos loteados” lê na carta.

“O partido solidariza-se com as pessoas e insta o governo à ceder” estivemos a parafrasear.

O partido popular é a primeira força política legalmente constituída a seguir as eleições de 2008 e congrega militantes provenientes doutras formações, algumas das extintas por força de lei, ao não terem conseguidos mínimos de 0.5% de votos requeridos.

O PP é segundo o manifesto que fez distribuir “... pelo pluralismo de correntes políticas no seu seio, por isso, aspira uma sociedade em que todos os cidadãos sejam livres de escolher a sua ideologia política sem que, para tal, sofra qualquer descriminação ou represália no emprego, no ensino, nas instituições públicas ou privadas”.