Por favor salvem esta menina. Apelo de Viana. Angola. Filha de 5 anos de idade que acerca de 2 anos está doente com Neoplasia Vesical (um tumor maligno na zona genital). O pouco que cada um pode dar já é muito para quem precisa, não precisamos ter muito para ajudar. Se cada um de nós depositar um pouco podemos ajudar a salvar a vida dessa menina. Quem puder ajudar pode depositar na conta: 000005001760033 ou IBAN A006.0034.0000.0500.1760.0334.1 de Lidia Manuel no banco Millenium

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Corpo Clínico Assassino no Ngangula




Por Rafael Marques de Morais , setembro 10, 2012 · Comments (0) [Edit]
A gemer de dores, Florinda Domingos contorcia-se no chão parque de estacionamento do Hospital Especializado Materno-Infantil Augusto N’gangula, em Luanda.
Aos gritos, um general à paisana exigia do corpo médico atenção à parturiente, que havia sido retirada da sala de espera, pelos guardas, por ordens do pessoal clínico. Familiares seus e de alguns pacientes também se insurgiam, na noite de 9 de Setembro, contra os serviços hospitalares que ignoravam os pedidos de socorro.
Flora Rosita explicou ao Maka Angola que a sua cunhada  “foi enxotada da sala de espera pelos guardas, porque as doutoras disseram que só tinha autorização para entrar na sala de espera à meia-noite”.
Por sua vez, outra cunhada, Cândida Nimila, explicou que o corpo clínico havia determinado que Florinda Domingos seria assistida apenas à meia-noite, para dar início ao parto prematuro, ao sétimo mês de gravidez.
Maka Angola espreitou a sala de espera e constatou que havia várias cadeiras desocupadas. Entre os presentes na sala, a maioria era constituída por acompanhantes de pacientes.
Eram exactamente 22H25 quando Florinda Domingos, de 22 anos, deu à luz  um menino, no chão do parque, entre duas ambulâncias estacionadas, que serviam de biombos, sem assistência médica e com o testemunho de guardas, familiares e do jornalista do Maka Angola presente no local.
Duas enfermeiras, mal-educadas e propositadamente pouco expeditas, dirigiram-se por fim à parturiente. Na caminhada, tiveram tempo de expedir ordens aos guardas e ao agente da Polícia Nacional para expulsarem os que exigiam celeridade nos atendimento a Florinda Domingos e ao seu recém-nascido.
Só passados muitos minutos as enfermeiras finalmente prestaram alguma atenção à parturiente, com o corte do cordão umbilical da criança.
Uma enfermeira, pachorrenta, levou o recém nascido ao colo, coberto por um pano da mãe. A outra enfermeira segurou Florinda Domingos pela mão e pediu-lhe para caminhar até ao interior da unidade hospital, a vários metros de distância. Não havia uma maca ou uma cadeira de rodas para transportar a paciente. À família, coube a tarefa de limpar o local onde nasceu a criança.
O bébé acabou por falecer na incubadora. “Eles [o corpo clínico] estavam a esconder a verdade. Hoje, no período da manhã, eu tive de insistir muito para que nos permitissem ver o bébé, porque era um direito da família. Só assim nos disseram que o bébé estava morto”, informou  Cândida Nimila.
Segundo o certidão de óbito passada pelo hospital, a criança faleceu de madrugada, por volta das 4H00 e os familiares apenas tiveram conhecimento perto das 10H00, apesar de terem pernoitado no local.
Imagem: jaimagens.com