quarta-feira, 26 de setembro de 2012

OMS alerta sobre doença respiratória e peregrinação islâmica


A Organização Mundial da Saúde pediu na quarta-feira aos profissionais da saúde do mundo todo que notifiquem eventuais casos de infecções respiratórias agudas em pacientes que tenham viajado à Arábia Saudita ou o Catar e que possam ter sido expostos a um novo vírus, confirmado até agora em duas pessoas.
http://noticias.terra.com.br
A agência da ONU divulgou um alerta global no domingo, dizendo que um novo vírus havia infectado um catariano de 49 anos que recentemente viajou à Arábia Saudita, onde outro homem com um vírus quase idêntico havia morrido. O catariano continua internado em estado crítico na Grã-Bretanha, segundo boletim da OMS na terça-feira.
O novo vírus tem semelhanças com o da Sars (síndrome respiratória aguda grave), e causa também insuficiência renal. A agência disse que não há relatos de novos casos, mas que continua investigando. "Temos coisas preparadas para caso as coisas mudem, caso o comportamento do vírus mude", disse o porta-voz Gregory Hartl.
A OMS disse estar em contato com as autoridades sauditas a respeito de medidas sanitárias para o haj, peregrinação que leva anualmente milhões de muçulmanos do mundo todo a Meca, no mês que vem.
A orientação da OMS para os 194 países afiliados é para que profissionais da saúde fiquem atentos a pacientes com febre superior a 38ºC e tosse, e que tenham estado até dez dias antes nos países afetados ou em contato com casos confirmados ou suspeitos.
O vírus, conhecido como coronavírus e também relacionado ao resfriado comum, é da mesma família da Sars, que surgiu em 2002 na China e contaminou 8 mil pessoas no mundo, matando 800 delas, antes de ser controlado.
A OMS disse estar identificando uma rede de laboratórios capazes de assessorar os países no combate aos coronavírus. "Embora seja um vírus muito diferente da Sars, dada a gravidade dos dois casos confirmados até agora, a OMS está envolvida em uma maior caracterização do novo coronavírus", disse a entidade, referindo-se ao sequenciamento genético do vírus.
Na terça-feira, Hartl disse a jornalistas que "isso não é a Sars, não vai virar a Sars, não é como a Sars". Não se sabe ainda como o vírus é transmitido, se por contato humano ou outra forma, nem se ele causa sempre casos tão graves quanto os relatados nos dois pacientes da Península Arábica.
Imagem: thehindu.com