terça-feira, 2 de setembro de 2014

Gestão do hospital “Irene Neto” entregue aos expatriados - M.C. Eyala





Lubango - Não é a primeira vez que se fala da funcionalidade do Hospital Materno Infantil “Irene Neto”(H.I.N) sedeada na cidade do Lubango com vocação para as áreas de Ginecologia e Obstetrícia, cuja prestação de serviço aos utentes tem estado a piorar cada dia que passa desde a tomada de posse do novo Director o “carismático” Dr. António Mário Flávio Hilário que ao se sabe no mandato da Antiga Direcção Chefiada pela Dra Ana Feijo foi um dos mais críticos e menos produtivo, limitando-se a cuidar da sua clínica com a mesma especialidade, e segundo os seus colegas esse comportamento deve-se pelo facto de ser um dos mais influentes membros do MPLA no comité de Especialidade da Saúde na Huíla proposto para representar a classe no próximo Congresso do MPLA .

Fonte: Club-k.net

Fontes anónimas por nós contactadas revelaram que a corrupção no H.I.N tem estado a tomar proporções sem precedentes, lideradas por um grupo de médicos expatriados com realce para os cubanos e tem como cabeça um tal médico Marcelo que actualmente é o assessor do Dr. Hilário, sendo ele o criador de ideias e que segundo testemunhas já esteve suspenso e repatriado durante algum tempo por ter sido flagrado a receber dinheiro de uma paciente cujo episódio já reportamos num dos nossos artigos.
“Nesse hospital tudo agora é legal a partir das cobranças ilegais até ao aborto, porque a Direcção não consegue agir, talvez por fazer também parte igualmente dos esquemas e nada indicia que um dia isto terá fim por estarem agir a coberto do partido no poder”-disse uma das enfermeiras num dos seus desabafos.
No seguimento das suas palavras lamentou o caso de uma paciente a quem foi rejeitado o atendimento urgente por parte de uma médica que justificou tal a atitude porque estava a largar, mas que permaneceu no hospital por mais duas horas para atender uma paciente que lhe ligara na hora de saída cuja conversa telefónica foi ouvida pela trabalhadora que trazia na maca a paciente negada cuja gravidade não se podia comparar com a anterior.
De realçar que esse comportamento recorrente tem sido criticado publicamente pelo actual Director da Saúde o Cirurgião Valentim Matias que por sinal é cunhado do actual Governador Provincial da Huila João Marcelino TYIPINGUE, mas sem no entanto tomar as medida que visem estancar este fenómeno que em nada dignifica as estruturas hospitalares que tem sido exaltadas pelo executivo provincial, cujos afectados tem sido simplesmente as camadas menos favorecidas, acabando em muitos casos por falecer. Mesmo assim as entidades competentes continuam remetidas no silêncio agindo sempre na defensiva para o seu militante Dr. António Hilário e o amigo o Dr.Marcelo este último tido como amigo pessoal do Governador Provincial, não requerendo marcar audiência quando desejar falar com o alto Mandatário da Província.
No Início do ano 2012 uma parturiente perdeu a vida no H.I.N porque uma médica estrangeira do Hospital Central Dr A. A. Neto especialista numa determinada área declinou o pedido de intervenção urgente, alegando que estava a tomar o café embora estivesse de banco.
Todos esses acontecimentos tem estado criar um descontentamento generalizado por parte dos enfermeiros os quais exigem a destituição da Direcção do Hospital chefiada pelo Dr. Hilário.
De referir que o H.I.N tem capacidade para 300 camas e tem realizado em media 60 partos diários.