Por favor salvem esta menina. Apelo de Viana. Angola. Filha de 5 anos de idade que acerca de 2 anos está doente com Neoplasia Vesical (um tumor maligno na zona genital). O pouco que cada um pode dar já é muito para quem precisa, não precisamos ter muito para ajudar. Se cada um de nós depositar um pouco podemos ajudar a salvar a vida dessa menina. Quem puder ajudar pode depositar na conta: 000005001760033 ou IBAN A006.0034.0000.0500.1760.0334.1 de Lidia Manuel no banco Millenium

sábado, 13 de setembro de 2014

Pacientes com ebola sem força para ficar de pé são barrados em hospital (na Libéria)





Segundo a OMS, o ebola está "devorando tudo o que está em seu caminho" na Libéria
O sistema médico da Libéria está à beira do colapso devido ao surto de ebola, e pacientes contaminados estão sendo barrados em hospitais sem leitos disponíveis.

http://noticias.r7

Em um centro médico, pessoas infectadas, sem forças nem para ficar de pé, deitam no chão diante do portão à espera de atendimento, numa cena que se repete pelo país.
A Libéria é o país mais atingido pelo surto do ebola que já matou mais de 2.200 pessoas na África Ocidental. A OMS (Organização Mundial da Saúde) alertou que milhares de outros casos poderão ser registrados no país.
O ministro da Defesa, Brownie Samukai, disse que o vírus "se espalha como fogo" e que o sistema de saúde está sobrecarregado.
"A Libéria está enfrentando uma ameaça séria à sua existência nacional. O mortal vírus do ebola tem prejudicado o funcionamento normal do nosso Estado", disse ele ao Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas).
Segundo ele, o ebola está "devorando tudo o que está em seu caminho" na Libéria, e o país não possui infraestrutura, capacidade logística, conhecimento profissional ou recursos financeiros para atacar a doença.
A OMS disse que, ao contrário de outros países afetados pelo surto, as medidas para conter o vírus na Libéria não estão tendo o efeito esperado. Os motivos são incertos, mas especialistas dizem que podem incluir as práticas de enterro, que incluem tocar o corpo e realizar uma refeição perto dele.
Com a falta de leitos nos hospitais — especialmente na capital, Monróvia —, muitos pacientes estão voltando para casa, o que também poderia estar contribuindo para a disseminação do vírus.

Imagem: Pessoas com ebola caem no chão sem terem força para esperar leito em hospital Reprodução/BBC