quarta-feira, 11 de julho de 2012

Atendimento clínico à venda no Hospital Central de Nampula


Paga-se por fora para se ser atendido e durante os fins-de-semana os serviços de urgência são ainda mais caros. Para ter uma assistência médica o paciente vê-se obrigado a pagar uma taxa que anda entre os 100,00 meticais e 350,00mt.

Nampula (Canalmoz) – A prestação de serviços aos utentes no Hospital Central de Nampula, HCN, não está nada fácil. Para que um cidadão seja atendido devidamente tem de pagar por fora. Para os bolsos de muitos cidadãos trata-se de valores elevados.
Na verdade, para que um cidadão goze de assistência hospitalar no Hospital Centralde Nampula, uma unidade do Serviço Nacional de Saúde, vê-se obrigado a pagar aos agentes no atendimento para conseguir alcançar um técnico de saúde ou um médico de serviço.
A situação é muito grave que os utentes com poucas posses que agora já reclamam de viva voz. Denunciam que quando chegam ao hospital os serventes apenas olham para eles mas não tratam dos doentes. Só pagando-lhes por fora é que começam a mexer-se.
“Os serventes nunca estão preparados para atender os clientes. Mesmo que a pessoa chegue em estado grave, eles ficam a reparar e só se predispõem a atender quando se paga algum dinheiro extra”, denunciou uma senhora entrevistada pelo Canalmoz na manhã do último domingo.
Desta utente dos serviços do HCN, apurámos que “esta situação vem acontecendo há mais de três anos e nada muda, mesmo depois de termos denunciado à direcção do hospital, nada muda”.
Um outro cidadão com que o Canalmoz conversou nos serviços de urgência do HCN disse: “estou aqui desde as primeiras horas da manhã, mas não me atendem porque não tenho dinheiro para pagar ao servente, entretanto muitos “brancos” chegam e entram sem passar pela bicha, porque têm dinheiro para dar gorjeta a estes senhores”.
Com um olhar cansado de esperar, esse cidadão, cuja identidade omitimos para garantir-lhe a segurança, apontou que “uma senhora veio aqui ter comigo e perguntou se não tinha pelo menos 50,00mt para ir dar o técnico para ser atendido”. Indignado com a corrupção no Hospital pergunta: “afinal em que país estamos nós?”.
Em todos os serviços no Hospital Central de Nampula, os utentes reclamam. Falam de atendimento pouco condigno e de serem vítimas das habilidades dos funcionários da instituição pra lhes extorquirem dinheiro.
Na pediatria daquela que é a maior unidade sanitária da região norte do país, disseram-nos que “muitas vezes quem atende as nossas crianças são serventes ou porque o enfermeiro não está ou porque está cansado e quer repousar”.
Tentámos ouvir a direcção do Hospital Central de Nampula.
Na manhã de ontem, estivemos nas respectivas instalações e apurámos que o director-geral estava em reunião. Todos os nossos esforços para ouvir a versão oficial da instituição não resultaram. Estamos abertos e interessados em ouvir a versão da direcção do HCN em relação às acusações dos utentes desta unidade sanitária. Continuaremos a insistir. (Aunício da Silva)
Imagem:  NAMPULAhospital. mocambique.wordpress.com