Por favor salvem esta menina. Apelo de Viana. Angola. Filha de 5 anos de idade que acerca de 2 anos está doente com Neoplasia Vesical (um tumor maligno na zona genital). O pouco que cada um pode dar já é muito para quem precisa, não precisamos ter muito para ajudar. Se cada um de nós depositar um pouco podemos ajudar a salvar a vida dessa menina. Quem puder ajudar pode depositar na conta: 000005001760033 ou IBAN A006.0034.0000.0500.1760.0334.1 de Lidia Manuel no banco Millenium

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Porque solidão pode ser fatal


A falta de companhia humana pode fazer mal a uma pessoa, e isso vai além de um simples problema psicológico: pesquisadores da Universidade de Chicago (EUA) afirmam que existe uma relação direta e biológica entre a solidão e a queda da qualidade nos indicadores de saúde.
A lista de problemas que a solidão pode ocasionar, conforme explicam os cientistas americanos, é extensa, incluindo endurecimento das artérias (o que leva à pressão alta), inflamações pelo corpo e até problemas cognitivos, de memória e aprendizagem.
O estudo, feito em parceria com cientistas da UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles), mostrou que até o sistema imunológico muda com o tempo em pessoas que passam por grandes períodos de solidão.
Alguns genes entram em super atividade em pessoas socialmente isoladas, e a maioria deles está ligada a respostas antivirais e à produção de anticorpos. Isso leva a uma disfunção destas tarefas do organismo, e o corpo perde boa parte de suas defesas naturais.
Isso acontece, segundo os cientistas, porque o corpo humano tem uma capacidade imunológica limitada: ele precisa escolher entre lutar contra ameaças virais ou proteger o corpo contra a invasão de bactérias. Como o solitário tende a ver o mundo como um lugar ameaçador, o corpo foca as atenções contra as invasões externas de bactérias, abrindo caminho para ação dos vírus.
Nesse momento, o problema fica ainda mais intenso. O organismo desprotegido aumenta o risco de desenvolver tumores cancerígenos, infecções e doenças no coração. Em um estágio ainda mais elevado, os hormônios são afetados, e nasce o risco de complicações como um ataque cardíaco fulminante ou um derrame. A solidão joga um papel em todas essas ameaças.
O agravante, no caso da solidão, é um problema cíclico. Quanto maior a solidão de uma pessoa, mais cresce sua tendência a ter uma saúde ruim, e os efeitos dessa saúde tornam o paciente ainda mais isolado.
O motivo deste ciclo é uma consequência natural: a solidão não apenas faz o solitário infeliz, mas também mais inseguro, e o corpo sabe interpretar estes sinais.[LiveScience, Foto]