Por favor salvem esta menina. Apelo de Viana. Angola. Filha de 5 anos de idade que acerca de 2 anos está doente com Neoplasia Vesical (um tumor maligno na zona genital). O pouco que cada um pode dar já é muito para quem precisa, não precisamos ter muito para ajudar. Se cada um de nós depositar um pouco podemos ajudar a salvar a vida dessa menina. Quem puder ajudar pode depositar na conta: 000005001760033 ou IBAN A006.0034.0000.0500.1760.0334.1 de Lidia Manuel no banco Millenium

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Cruz Vermelha de Moçambique com dívidas acima de 4 milhões de dólares


O secretário-geral da instituição é acusado de a sufocar. Entretanto Américo Ubisse diz que está a ser vítima de ódio e de quem levou a CVM ao estado em que se encontra hoje.

“Quando tomei posse encontrei uma instituição financeiramente débil. Não fui informado dos problemas de fundo e de natureza financeira. Os problemas eram muitos e já se haviam transformado num baril de pólvora pronto a explodir”

“As contas da CVM estão a saldo negativo. Ambulâncias, um hotel da CVM em Chimoio e uma propriedade em Pemba foram penhorados pela banca. Em finais de Junho a Bélgica retirou o seu apoio. A Finlândia está a gerir os seus fundos directamente dentro desta instituição humanitária. A Cruz Vermelha da Espanha a qualquer momento também pode abandonar-nos”, - dizem trabalhadores da Cruz Vermelho de Moçambique.

Maputo (Canalmoz) – Alarme tocou na Cruz Vermelha de Moçambique (CVM). A instituição humanitária está a atravessar um dos seus piores momentos, segundo denúncia de um grupo de trabalhadores da instituição. Falam de uma crise financeira sem precedentes que se abateu sobre a CVM, causando atraso de salários, penhora de bens pela banca, retirada de ajuda por alguns doadores europeus.
Américo Ubisse, secretário-geral da instituição, é o principal acusado pelos trabalhadores que consideram que ele está a gerir a instituição come de sua quinta se trate.
Ubisse, ouvido pelo Canalmoz nega as acusações e diz que são pessoas que estão com dores de “cotovelo e com pulgas atrás das orelhas”.
Os trabalhadores responsabilizam o secretário-geral por esta situação. Por exemplo, dizem que no dia 27 de Junho foi mandar fazer banners na África do Sul e pagou 52 mil randes. Mas segundo as fontes, os mesmos custariam 14 mil meticais se tivessem sido feitos no país.
Os trabalhadores dizem ainda que desde que Ubisse assumiu as rédeas da instituição, em Janeiro de 2010, instalou um clima de ditadura, terror e desconfiança no seio dos trabalhadores.
“A missão do secretário-geral não é de alívio ao sofrimento tal e qual o lema da CVM, mas, sim, de promover sofrimento psicológico no seio da massa laboral. Somos violentamente chamados de burros e que não sabemos trabalhar. Até podemos não saber, mas será que todos os colegas afectos nos 110 distritos dos 128 existentes no país são burros?”, questionam os trabalhadores.
Austeridade
Segundo os trabalhadores, depois de Américo Ubisse entrar na CVM “elaborou um organograma que disse que era menos pesado” e “Promoveu campanhas de despedimento por alegada falta de cobertura salarial”.
“O que não cabe nas nossas cabeças é o facto de se despedir um simples técnico e nomearem-se novos directores”, dizem os trabalhadores. Questionam: “Como é que se a verba existente não dá para pagar técnicos, cobre as regalias dos novos directores e chefes de departamentos, recentemente nomeados?”
Acusam ainda Ubisse de ter nomeado um engenheiro agrónomo como chefe do departamento de Saúde e Serviços Sociais. Também dizem que inventou dois postos de assessores para acomodar duas senhoras tidas como “damas de ferro” na CVM.

Ambulâncias

As fontes da CVM dizem que foram adquiridas 10 ambulâncias nas vésperas dos jogos africanos para fazer os primeiros socorros, mas desde a sua chegada estão a enfeitar o parque do Corpo de Salvação Pública.
Observam que para estas ambulâncias, foi aberto um concurso público para a contratação de 40 motoristas. “De onde virá o dinheiro para salário desta gente que mesmo para pagar o staff existente tem sido uma dor de cabeça?”, interrogam-se.
Acrescentam que Américo Ubisse controla directamente um hotel de três estrelas em Chimoio.

Secretário-geral reconhece dívidas elevadas

O secretário-geral da Cruz Vermelha de Moçambique, Américo Ubisse, reconheceu ao Canalmoz que a CVM está endividada até ao pescoço, mas diz que algumas pessoas ligadas à instituição, que estão a levantar-se contra a sua pessoa, participaram na fraude.
“Quando tomei posse encontrei uma instituição financeiramente débil. Não fui informado dos problemas de fundo e de natureza financeira. Os problemas eram muitos e já se haviam transformado num baril de pólvora pronto a explodir”, explica.
Américo Ubisse diz que durante o processo de reorganização da CVM descobriu que havia fraudes e desvios de recursos. Acrescentou que havia contractos com três empreiteiros que não chegaram a realizar sequer uma obra. Outros contractos foram com fornecedores de produtos e serviços que nunca chegaram a honrar os compromissos. Uma gráfica da praça também participou no saque dos fundos da CVM para uma alegada produção de boletins e folhetos.
“Quando cheguei a CVM estava em queda livre. Fiz uma estruturação e coloquei homens certos nos momentos e lugares certos. Desmontei o nepotismo, amiguismo e espírito de familiaridade que reinavam na direcção anterior. Algumas pessoas próximas de mim não gostam disto”, vinca Américo Ubisse.
Acrescenta que “hoje descobrimos isto e trazemos esta sistematização da verdade. Então nós somos vistos como os maus da fita”.
“Há uma inversão propositada de factos. Descobrimos fraudes. Eles levantam-se contra nós e acusam-nos de má gestão”, alega  SG.
Ainda segundo Ubisse, “neste momento a Cruz Vermelha de Moçambique tem uma dívida de mais de quatro milhões de dólares norte-americanos”. E acrescenta: “Deste valor, 1.4 milhões é com os projectos: um milhão de dólares foi empregue na aquisição de dez ambulâncias e respectivos kits. Dois milhões foram para reformas. A este valor juntam-se outros 3,4 milhões de dólares devido à gestão pouco eficiente e não profissional na CVM nos últimos tempos”.

Saída de financiadores

Sobre a saída de alguns financiadores da CVM, Ubisse diz que os seus detractores não percebem que os projectos chegam ao fim. “Quando um projecto termina, o acordo de parceria também termina”, alega. Explica que no tocante à dívida com os projectos dos parceiros (1.4 milhões), a mesma será amortecida aos poucos com as receitas das ambulâncias.
Quanto à dívida de compra de dez ambulâncias em Dubai (um milhão), feito com empréstimo dum banco comercial da praça, diz ser uma dívida “soberana e de esperança”.
A Cruz Vermelha de Moçambique tem cerca de 300 trabalhadores humanitários, dos quais 84 porcento possui contractos indeterminados e 14 porcento com contractos certos. (Cláudio Saúte)