Por favor salvem esta menina. Apelo de Viana. Angola. Filha de 5 anos de idade que acerca de 2 anos está doente com Neoplasia Vesical (um tumor maligno na zona genital). O pouco que cada um pode dar já é muito para quem precisa, não precisamos ter muito para ajudar. Se cada um de nós depositar um pouco podemos ajudar a salvar a vida dessa menina. Quem puder ajudar pode depositar na conta: 000005001760033 ou IBAN A006.0034.0000.0500.1760.0334.1 de Lidia Manuel no banco Millenium

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Porque as mulheres vivem mais que os homens?


Segundo dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a expectativa de vida do brasileiro nascido em 2010 alcançou 73,4 anos. Em comparação com dados de 1960, a perspectiva de vida aumentou 25,4 anos (era de 48 anos).
Apesar desse aumento de vida ser geral, muitas pesquisas mostram que os homens vivem menos que as mulheres. No Brasil, por exemplo, a expectativa de vida dos homens era de 69,73 anos em 2010, e das mulheres, 77,32 anos, uma diferença de sete anos, sete meses e dois dias.
Os homens têm 4,5 mais chances de morrer na juventude do que as mulheres. A sobremortalidade masculina tem seu pico aos 22 anos de idade, quando a chance de um homem morrer é 4,5 vezes maior do que a de uma mulher. Conforme ficam mais velhos, essa diferença diminui, mas, aos 70 anos, a chance de um homem morrer é mais de 1,5 maior do que a chance de uma mulher da mesma idade morrer.
Por quê? Os homens não se cuidam? Alimentam-se pior? Não vão ao médico? Têm mais comportamentos de risco que as mulheres?
Pode ser que tudo isso seja verdade, mas um novo estudo da Universidade Monash (Austrália) indica que um componente genético pode favorecer as mulheres: mutações no DNA da mitocôndria. Elas podem explicar as diferenças na expectativa de vida de machos e fêmeas.
Sim, machos e fêmeas, porque essa expectativa de vida maior é vista nas fêmeas de várias espécies, não somente nos seres humanos.
As mitocôndrias, que existem em quase todas as células animais, são vitais para a vida porque convertem o que comemos em energia que alimenta nosso corpo. As mitocôndrias têm seu próprio DNA, separado do DNA que reside no núcleo da célula (que é o que pensamos quando falamos de genoma).
Os pesquisadores analisaram diferenças de longevidade e envelhecimento biológico em moscas machos e fêmeas que carregavam mitocôndrias de diferentes origens. Ou seja, as moscas da fruta (Drosophila melanogaster) tinham, todas, o mesmo DNA celular, mas possuíam DNA mitocondrial de 13 diferentes populações de moscas da fruta ao redor do mundo.
Eles descobriram que a variação genética entre estas mitocôndrias estava relacionada à expectativa de vida no sexo masculino, mas não no feminino.
Isso significa que as inúmeras mutações no DNA mitocondrial afetam o quanto os homens vivem e a velocidade com que envelhecem, mas não afetam em nada as mulheres.
Os cientistas especulam que as mutações podem ser totalmente atribuídas à forma como os genes mitocondriais são passados de pais para filhos. Enquanto as crianças recebem cópias da maioria de seus genes de ambos os pais e as mães, elas só recebem genes mitocondriais de suas mães.
Isto significa que o “controle de qualidade” da evolução, conhecido como seleção natural, apenas filtra a qualidade de genes mitocondriais em mães. Se uma mutação mitocondrial que prejudica apenas os pais ocorre, ela passa “sem querer” pelo olhar da seleção natural. Ao longo de milhares de gerações, muitas dessas mutações que prejudicam machos se acumulam.
Ou seja, normalmente, a seleção natural ajuda a manter mutações prejudiciais ao mínimo, garantindo que não sejam transmitidas para a prole. Mas, se uma mutação do DNA mitocondrial é perigosa apenas para os machos, mas não para as fêmeas, não há nada que impeça a mãe de passá-la para seus filhos e filhas.
Isso significa que os machos estão “ferrados” para sempre? Não, como é evidenciado pelo fato de que eles não foram extintos ainda. É possível que o genoma nuclear – o DNA que herdamos de nossos dois pais – esteja compensando a deficiência mitocondrial nos homens. Em outras palavras, os homens cujos genomas podem neutralizar os efeitos desagradáveis de mutações mitocondriais podem se sair melhor e transmitir seus genes de forma mais eficaz.
O próximo passo da pesquisa é investigar os mecanismos genéticos que podem ajudar os homens a anular os efeitos dessas mutações prejudiciais e se manterem saudáveis.[MedicalXpress, LiveScience, G1 1 e 2]