Por favor salvem esta menina. Apelo de Viana. Angola. Filha de 5 anos de idade que acerca de 2 anos está doente com Neoplasia Vesical (um tumor maligno na zona genital). O pouco que cada um pode dar já é muito para quem precisa, não precisamos ter muito para ajudar. Se cada um de nós depositar um pouco podemos ajudar a salvar a vida dessa menina. Quem puder ajudar pode depositar na conta: 000005001760033 ou IBAN A006.0034.0000.0500.1760.0334.1 de Lidia Manuel no banco Millenium

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

A mulher que precisava ficar de cabeça pra baixo


Ao chegar ao hospital, o Dr. Louis F. Janeira, eletrofisiologista cardíaco, achou que seria um dia como outro qualquer. Até que ouviu os gritos do segurança de “Ponha ela no chão!”. O médico foi correndo ver o motivo do alarde, e, naquele momento, percebeu que a rotina passaria longe de seu dia: viu um homem de mais de 2 metros de altura segurando uma pequena mulher de cabeça pra baixo. “Preciso segurá-la assim”, insistiu.
O segurança achou um absurdo e tentou libertar a mulher, enquanto a multidão assistia. Para evitar que alguém se ferisse, Dr. Janeira pediu que todos se acalmassem e tentou entender a situação.
O gigante, Jason, era marido da pequena senhora de 60 e poucos anos, Mary. No dia anterior, Mary deu entrada no hospital, pois estava com seu ritmo cardíaco perigosamente baixo (40 batidas por minuto, sendo que o normal seria entre 60 e 80), causando desmaios constantes. Não fosse por uma operação de emergência, na qual o médico implantou um marca-passo em Mary, a situação teria se agravado.
“Não esperava ver você tão cedo”, disse ele, logo que se lembrou da paciente. Ela tivera alta pela manhã e, segundo o casal, tudo estava bem até meia hora atrás, quando Mary desmaiou. Jason a colocou na cama e, depois de quatro tentativas, percebeu que ela não conseguiria se manter em pé: bastava se erguer um pouco e desmaiava novamente. Apenas de cabeça para baixo Mary conseguia manter a consciência.
Diagnóstico urgente
Sem demora, o médico começou a imaginar os vários diagnósticos possíveis. Talvez uma obstrução estivesse impedindo o fluxo de sangue, ou a pressão estivesse tão baixa que o coração não era capaz de bombear sangue até o cérebro. Reação alérgica, choque anafilático, desidratação, tamponamento cardíaco (acúmulo de líquido em torno do coração, a ponto de atrapalhar os batimentos)… eram muitas causas possíveis.
Mais estranho ainda era o fato de o recém-implantado marca-passo não ajudar. O aparelho, composto por um gerador de corrente e um fio, é capaz de estimular o coração a bater corretamente, e raramente falha: segundo dados do St. Jude Medical, um dos maiores fabricantes de marca-passos dos Estados Unidos, apenas 97 de 220 mil de seus aparelhos apresentaram problema de desconexão em 30 dias após o implante. Parece que era o caso de Mary.
Ainda carregada por seu marido, ela foi levada até a sala de cirurgia para uma nova intervenção, na qual o marca-passo seria reconectado. Como injeções de epinefrina (substância que acelera os batimentos cardíacos) não surtiam efeito, o procedimento foi feito com Mary pendurada de cabeça pra baixo.
No dia seguinte, Dr. Janeira recebeu novamente a paciente, mas desta vez ela estava de pé e fora agradecer pelo apoio e mostrar que a cirurgia havia sido um sucesso. Com a promessa de fazer revisões em seu marca-passo a cada três meses, ela saiu do hospital, dessa vez caminhando ao lado de seu gigantesco marido.[Discover Magazine]