quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Os 7 maiores mistérios do corpo humano


7 – Somos fracotes
Mesmo aqueles caras que gastam horas na academia e viram “montanhas de músculos” correriam o risco de passar vexame em uma briga com chimpanzés: esses animais, embora tenham uma musculatura muito similar à nossa, são normalmente duas a três vezes mais fortes do que os humanos de mesmo tamanho, explica Kevin Hunt, diretor do Laboratório de Origem Humana e Evolução de Primatas da Universidade de Indiana (EUA).
O próprio Hunt foi superado em uma disputa de força com uma chimpanzé de míseros 36 quilos, durante uma excursão em uma floresta africana: com apenas três dedos, ela conseguiu quebrar um galho de árvore resistente, enquanto Hunt teve de usar as duas mãos e toda a sua força para repetir a façanha.
6 – Destros e canhotos
Nove em cada dez pessoas são destras. Mais curioso do que essa diferença é o fato de sermos mais habilidosos com uma mão, para começo de conversa (há pessoas ambidestras, mas são muito raras). Uma das teorias mais comuns é a de que o centro da fala, localizado no lado esquerdo do cérebro (que exerce maior controle sobre o lado direito do corpo), exige mais conexões nervosas e, como consequência, faz com que a mão direita predomine na maioria das pessoas. O problema com essa teoria é o fato de que nem todos os destros possuem o centro da fala no hemisfério esquerdo, enquanto metade dos canhotos possui.
5 – Seios em evidência
Nos estágios finais da gravidez e logo após o nascimento do filho, os seios das mulheres acumulam leite para alimentar a criança. Até aqui, nada de anormal. O curioso é que, mesmo após o período de amamentação, os seios continuam em evidência – além disso, mulheres que nunca tiveram filhos também podem ter seios grandes. No mundo científico, não há consenso sobre o motivo por trás dos “seios permanentemente em evidência” – a hipótese de que são uma vantagem evolutiva para atrair um possível companheiro não é infalível, já que há muitas culturas em que seios grandes não são considerados atraentes.
4 – Pelos
Há milênios os seres humanos não dependem de seus pelos corporais para se manter aquecidos, e ainda assim esse traço fisiológico sobrevive. Alguns cientistas acreditam que os pelos são um sinal de maturidade sexual e podem ajudar no jogo da conquista. Para outros, seriam uma forma de proteger as “partes baixas”. Seja qual for a explicação, muita gente gostaria de se ver livre deles.
3 – Colônias ambulantes
Curiosamente, boa parte do seu corpo não é formada por, digamos, você: para cada uma de suas células, há dez micróbios em seu organismo – juntos, eles constituem de 1 a 3% do seu peso corporal. Existem bactérias que combatem micro-organismos nocivos, ou ajudam na digestão, enquanto muitas outras contribuem de modo desconhecido para o funcionamento do nosso organismo. Por sinal, quando ficamos doentes e tomamos antibióticos, corremos o risco de atacar não apenas as bactérias nocivas, mas as nossas “bactérias amigas” também.
2 – O apêndice
Ao lado dos sisos e do dedo mindinho, o apêndice figura naquela lista de partes do corpo cuja utilidade real permanece desconhecida. Há pesquisadores, porém, que consideram isso uma injustiça, e buscam descobrir para que serve esse órgão subestimado. Alguns sugerem que ele pode contribuir para o desenvolvimento do sistema imunológico durante a fase fetal. Outros apontam que o apêndice armazena bactérias importantes para o processo digestivo, uma espécie de reserva para o caso de alguma doença atacar a flora intestinal.
1 – Você
No fim das contas, talvez o fato de um amontoado de partículas ter se juntado para formar uma criatura pensante seja o maior mistério do corpo humano – e um dos maiores já analisados pela humanidade. Há bilhões de anos, estas mesmas partículas que constituem seu cérebro formavam estrelas, vagavam pelo espaço durante incontáveis milênios e hoje estão aqui, reunidas, enquanto você lê esta matéria. Poético, não? [Life's Little Mysteries]