segunda-feira, 21 de junho de 2010

Dúvidas sobre a eficácia. Autoridade do medicamento dos EUA veta viagra feminino




Uma comissão da agência dos Estados Unidos da América para a alimentação e os medicamentos (FDA, na sigla em inglês) votou ontem por unanimidade contra a comercialização do produto designado como "viagra feminino".

19.06.2010 - 09:35 Por Lusa PÚBLICO ÚLTIMA HORA

Os estudos da FDA revelaram que os resultados sobre a eficácia deste medicamento não são “convincentes”. A empresa alemã Boehringer Ingelheim pretendia a aprovação da FDA, necessária para poder vender nos EUA esta pastilha cor-de-rosa, que ainda não está à venda em nenhum país do mundo.

Ao contrário da "irmã" masculina, o Viagra da farmacêutica Pfizer Inc, este medicamento (flibanserin) deveria tomar-se diariamente, como uma espécie de antidepressivo que equilibra os químicos do cérebro associados ao desejo sexual. Porém, as investigações efectuadas com 2400 mulheres, que consistiam na toma desta pastilha e de um placebo sem que a mulher soubesse qual deles estava a tomar, concluíram que a toma da pastilha só melhora ligeiramente a libido e tem efeitos secundários.

De facto, 15 por cento das mulheres que tomavam a pastilha abandonaram o tratamento, porque lhes causava depressão, desmaios e cansaço, entre outros problemas. Mas as esperanças e tentativas de resolver a desordem sexual feminina hipoactiva continuam, uma vez que também a empresa norte-americana BioSante Pharmaceuticals está a trabalhar num produto similar.

A investigação do produto por esta empresa, um gel baseado na hormona masculina testosterona, está na terceira fase e, segundo a empresa, conseguiu aumentar a satisfação sexual em 238 por cento nas quatro semanas de testes. O fabricante está a investigar os possíveis riscos cardiovasculares que poderão decorrer da testosterona, mas espera apresentar o seu pedido de aprovação à FDA no final de 2011.

As dificuldades para conseguir este tipo de medicamentos devem-se, indicam os peritos, a que enquanto o problema da disfunção sexual no homem é físico, nas mulheres é mais complicado, porque pode estar no cérebro e, ao mesmo tempo, pode ter causas biológicas e psicológicas. “Para os homens, o problema está nos genitais, o que é mais fácil de resolver do que um problema que está no cérebro”, afirmou uma psicóloga clínica e professora na faculdade de medicina da Universidade Case Western Reserve, Sheryl Kingsberg, à CNN.